Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de dezembro de 2016. Atualizado às 15h29.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Segurança pública

Notícia da edição impressa de 02/06/2016. Alterada em 27/12 às 16h31min

Mais de 900 PMs já se aposentaram neste ano

Até o final de 2016, 222 soldados concluirão curso de formação

Até o final de 2016, 222 soldados concluirão curso de formação


FREDY VIEIRA/JC
Isabella Sander
Nesta semana, 222 policiais militares (PMs) iniciaram curso de formação no Estado. A nomeação foi celebrada pelas entidades da categoria, que denunciam constantemente a falta de efetivo e a precariedade de instrumentos de trabalho. O chamamento, contudo, não chega nem perto de sanar o déficit de 21 mil trabalhadores, que aumenta todos os dias - somente nos cinco primeiros meses de 2016, 909 servidores pediram exoneração ou se aposentaram.
"Se um só soldado entrar na Brigada Militar (BM), já está nos ajudando, erguemos as mãos para o céu. O nosso problema é a saída de muitos", explica Leonel Lucas, presidente da Associação Beneficente Antonio Mendes Filho, dos praças da corporação. A previsão é que, até o final de 2016, 3 mil PMs gaúchos se aposentem. "Esse é um recorde, nunca saiu tanta gente da BM", observa o sindicalista.
Dos 36 mil PMs previstos, há apenas 15 mil trabalhando. Leonel Lucas espera que ao menos os 2,5 mil aprovados em concurso sejam nomeados, para aliviar a falta de efetivo. O sindicalista acredita que as altas taxas de homicídio estão relacionadas ao déficit. "Há dois assassinos em cada homicídio - o autor do crime e o Estado, que é o maior responsável pelo crime ocorrer", pontua. Entre 2011 e 2015, ocorreram 6.034 assassinatos no Rio Grande do Sul.

Novos servidores podem estar nas ruas já em agosto

Segundo o comandante-geral da BM, coronel Alfeu Freitas, o curso de formação pelo qual passarão os 222 novos PMs (172 capacitados para policiamento ostensivo e 50 para o Corpo de Bombeiros) tem duração de oito a nove meses, com 1.650 horas-aula. "Pretendemos ampliar os dias de aula na semana, usando os sábados, para diminuirmos o tempo de curso e formarmos os alunos até dezembro", informa.
As primeiras aulas serão de técnica policial militar, que envolvem abordagem, uso da arma, decisão de tiro, documentação operacional e operação da rede de rádio. Elas são necessárias para que o servidor seja colocado em atividades ostensivas e de bombeiro antes mesmo de o curso acabar, acompanhado de um supervisor. Freitas estima que, em agosto ou setembro, o novo efetivo já estará nas ruas, 90% dele em Porto Alegre e Região Metropolitana. Até 2018, existe a possibilidade de nomeação de mais 400 PMs.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia