Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 11 de junho de 2016. Atualizado às 10h55.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

copa américa centenário

11/06/2016 - 10h43min. Alterada em 11/06 às 10h55min

Com gol polêmico no fim, Chile derrota a Bolívia e segue vivo na Copa América

Sul-americanos ficaram no empate em 1 a 1

Sul-americanos ficaram no empate em 1 a 1


Jim Rogash / GETTY IMAGES NORTH AMERICA/AFP/JC
Atual campeã continental, a seleção do Chile precisou suar bastante para seguir viva na Copa América Centenário, que está sendo realizada nos Estados Unidos. Nesta sexta-feira, com um gol polêmico em cobrança de pênalti no final, os chilenos derrotaram a Bolívia por 2 a 1, no Gillette Stadium, em Boston, pela segunda rodada do Grupo D.
Com 3 pontos, o Chile se recuperou da derrota na estreia para a Argentina e agora buscará a classificação contra o Panamá, na próxima terça-feira, às 21 horas (de Brasília), na cidade da Filadélfia. Já a Bolívia, sem pontuar - perderam para o Panamá na primeira rodada -, encaram a favorita Argentina, no mesmo dia às 23 horas, em Seattle.
Em campo, o Chile teve enorme dificuldade para passar pelo setor defensivo da Bolívia - o técnico Julio César Baldivieso armou a equipe com três zagueiros e dois volantes. No primeiro tempo, poucas chances de gol foram criadas. Na melhor delas, aos 39 minutos, depois de cruzamento da direita, o goleiro boliviano Lampe saiu mal do gol e deu um tapa fraco na bola, que sobrou para Vidal rolar para Alexis Sánchez. O atacante chutou, sem goleiro, mas Zenteno salvou a Bolívia quase em cima da linha.
Depois do intervalo se esperava o mesmo panorama, mas logo aos 32 segundos o Chile conseguiu abrir o placar. O atacante Pinilla recebeu pela esquerda e cruzou rasteiro na área, perto da marca do pênalti. Sem marcação, o meia Vidal chutou de primeira, com força, para balançar as redes.
Com a vantagem no placar, o Chile esperava aproveitar os espaços dados pelo rival para rápidos contra-ataques, mas foi pego de surpresa com um golaço da Bolívia. Aos 15 minutos, em falta da intermediária pelo lado direito, o meia canhoto Jhasmani Campos acertou um belo chute no ângulo direito alto do goleiro Claudio Bravo.
O empate era péssimo para as duas seleções, mas o que se viu desde o gol boliviano foi o desespero chileno para conseguir a vitória. Valeu de tudo, até uma tentativa frustrada de bicicleta de Vargas, que acertou o rosto do zagueiro Eguino. Jogo paralisado por alguns minutos, o que fez com o árbitro norte-americano Jair Marrufo desse 8 minutos de acréscimos.
Assim, aos 52 minutos, o Chile teve a chance de uma última jogada e conseguiu um pênalti polêmico. A bola bateu no braço de Zenteno e o bandeirinha, com atraso, sinalizou a penalidade. Depois de muita discussão, Vidal bateu com categoria e fez o gol de desempate chileno.
Chile 1 x 1 Bolívia
Claudio Bravo; Isla (Fuenzalida), Medel, Gonzalo Jara e Beausejour; Pablo Hernández, Aránguiz e Vidal; Alexis Sánchez, Orellana (Edson Puch) e Pinilla (Vargas). Técnico:Juan Antonio Pizzi.
Lampe; Saavedra, Eguino, Zenteno, Luis Gutiérrez e Marvin Bejarano; Meleán, Raúl Castro (Jhasmani Campos) e Smedberg; Juan Arce (Rodrigo Ramallo) e Yasmani Duk (Veizaga). Técnico:César Baldivieso.
Árbitro:Jair Marrufo (Fifa/Estados Unidos)
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia