Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 14 de julho de 2016. Atualizado às 20h09.

Jornal do Comércio

Dia do Comércio 2016

COMENTAR | CORRIGIR

Gestão

Notícia da edição impressa de 15/07/2016. Alterada em 14/07 às 19h38min

Federasul e o desafio de integrar e fortalecer

Simone é a primeira mulher a assumir o cargo da entidade

Simone Leite é a primeira mulher a assumir o cargo da entidade empresarial


ITAMAR AGUIAR/DIVULGAÇÃO/JC
Primeira presidente da Federação das Associações Comerciais e de Serviços do Rio Grande do Sul (Federasul), em 89 anos de existência, Simone Leite assume com o desafio de ampliar a atuação da entidade no Estado. Ao resumir o foco da sua gestão, destaca duas palavras: pertencimento e integração. Conforme ela, neste momento delicado da economia é necessário resgatar entre os empresários o orgulho de pertencer ao Rio Grande do Sul.
Outro ponto que destaca como essencial é fortalecer a cadeia de entidades que participam da Federasul. Pois, além de ser a primeira mulher a assumir o cargo, Simone também é a primeira presidente de fora de Porto Alegre. Ela é de Canoas. Na sua visão, isso fortalece as bases de outros municípios. "Vamos escolher o caminho da verdadeira representatividade que é se voltar, completamente, para as necessidades do Interior do Estado. A intenção é promover a integração do setor empresarial, servir de ponte e fazer ecoar a importância do setor produtivo, priorizando as dificuldades enfrentadas e as conquistas que estão no horizonte dos empresários", afirma.
Para transformar este discurso em prática, a nova gestão aposta no projeto Movimento Empresarial, que nasceu durante o Fórum dos Presidentes, em dezembro de 2015. A proposta já começou a ganhar adeptos no Rio Grande do Sul com reuniões regionais e a meta é desenvolver um cronograma de atividades para descobrir e incentivar novas lideranças empresariais gaúchas. A ideia é integrar a classe produtiva e estimular a pró-atividade e participação dos empresários nas decisões dos municípios e do Estado. "O nosso silêncio resultou na crise que estamos vivendo. Quando delegamos, muitas vezes, acabamos nos omitindo. E isso não é bom para os negócios e nem para as nossas famílias", analisa.
O Movimento Empresarial traz uma visão de 360 graus sobre pautas coletivas que expressam firmeza de propósitos, ética, idealismo, atitude e iniciativa, além de estar alicerçado no propósito de renovar e apontar novas lideranças articuladas entre si", detalha Simone. O projeto envolve oito macrorregiões do Estado e os encontros já começaram a acontecer.
 

Proposta é ampliar a participação dos segmentos

Movimento Empresarial, criado em 2015, quer desenvolver atividades para descobrir e incentivar novas lideranças no setor
Movimento Empresarial, criado em 2015, quer desenvolver atividades para descobrir e incentivar novas lideranças no setor
CÁSSIUS ANDRÉ FANTI /DIVULGAÇÃO/JC
A nova gestão inovou também ao separar as estruturas administrativas da Federasul e Associação Comercial de Porto Alegre (ACPA). Após 88 anos é a primeira vez que a associação volta a ter um presidente, o empresário Paulo Afonso Pereira. Conforme Simone Leite, neste momento é importante que as duas entidades possam ter vida própria. "É fundamental que a Associação Comercial de Porto Alegre resgate seu protagonismo dentro do Estado. Há muito trabalho e cada uma pode fazer isso dentro do seu foco de atuação", comenta.
A presidente também estimulou o protagonismo feminino dentro da entidade. Na administração anterior apenas duas mulheres participavam da diretoria. Agora são 19. A proposta de Simone é mesclar homens e mulheres, de variadas faixas etárias que tenham empresas de vários portes. "Quero todos representados na minha diretoria", explica.
Atualmente, a Federasul possui 230 entidades filiadas que representam cerca de 40 mil empresas, que somadas respondem por mais de 70% do PIB e pela geração do maior número de empregos no Estado. Embora atuem em diversos setores da economia, há pontos em comum entre esses empresários. A maior parte vêm das áreas de comércio e serviços e um percentual menor da indústria e da produção agrícola. Entre estes desafios coletivos estão a infraestrutura e a alta carga tributária do Rio Grande do Sul.
Também está em processo de gestação a criação de dois novos núcleos: o da Mulher e o do Jovem Empresário. O plano é fortalecer a troca de experiências, o network e fomentar a integração. "Temos que trazer a mulher como protagonista do desenvolvimento da sua cidade. Muitas, hoje, abrem seu próprio negócio. Atualmente, 66% dos negócios que passam dos cinco anos têm por trás uma liderança feminina", ressalta Simone.
Outro foco da presidente é o projeto Pertencer, que oferece produtos e serviços para as entidades filiadas. Neste caso, a ideia é criar canais de geração de renda para garantir a sustentabilidade financeira da entidade através da promoção de cursos, workshops, assessorias de análise de crédito e de certificado digital. "Em uma entidade temos que mostrar eficiência, sem desperdício de tempo, buscando ser sustentáveis e ter ações com focos bem definidos", afirma a dirigente.

Mapa do Movimento Empresarial

Região 1 – Erechim, Planalto e Alto e Médio Uruguai
Região 2 - Ijuí e Cruz Alta
Região 3 - Porto Alegre, Região Metropolitana, Vale do Sinos e Vale do Paranhana
Região 4 - Sul do Estado, passando por Pelotas, Rio Grande e Bagé
Região 5 - Santa Maria, Santiago, Santana do Livramento e Tupanciretã
Região 6 - Serra Gaúcha
Região 7 - Vale do Rio Pardo e Vale do Taquari
Região 8 - Associações Comerciais e Industriais da Fronteira Oeste.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia