Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 30 de junho de 2016. Atualizado às 22h55.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

Notícia da edição impressa de 01/07/2016. Alterada em 30/06 às 21h11min

Mudança de governo impulsiona expectativas e melhora confianças

Os indicadores de confiança empresarial, divulgados nesta quinta-feira pela Fundação Getulio Vargas (FGV), sugerem que o pior ficou para trás na percepção sobre a atividade econômica, sobretudo por causa da mudança no governo federal. O fato de a alta da confiança ter sido puxada pelas expectativas para o futuro e de ter havido uma aceleração em maio e junho sugerem a associação da percepção dos empresários com o afastamento da presidente Dilma Rousseff e a nomeação do vice-presidente Michel Temer como presidente interino, pontuou o consultor do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) e analista da Sondagem de Serviços, Silvio Sales.
A FGV informou que o Índice de Confiança de Serviços (ICS) subiu 1,9 ponto em junho ante maio, para 72,4 pontos. Com isso, o indicador subiu 1,6 ponto no segundo trimestre ante o primeiro. "Muito provavelmente isso tem a ver com a mudança no cenário político, abrindo possibilidade para melhorias na situação econômica", disse Sales.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia