Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 30 de junho de 2016. Atualizado às 16h39.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

bancos

30/06/2016 - 16h40min. Alterada em 30/06 às 16h40min

Diferença entre tarifas de bancos chega a 447,50%, diz pesquisa do Procon-SP

Não pesquisar preços, inclusive nos serviços bancários, é uma atitude que pode sair cara ao consumidor. Pesquisa do Procon-SP revelou que a diferença de valores cobrados nas tarifas bancárias pode chegar a 447,50%.
No serviço "Pagamento de contas utilizando a função crédito do cartão", o preço varia de R$ 4 (Banco do Brasil) a R$ 21 (Santander). A diferença pode parecer pouco quando vista individualmente, mas um consumidor que utilize o serviço uma vez por mês gastaria R$ 48 em um banco e R$ 252, em outro, uma diferença de R$ 200.
A pesquisa analisou e comparou serviços prioritários e pacotes padronizados de sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander.
Na comparação entre 2015 e 2016, a maior variação encontrada foi de 198,25% no serviço "Depósito Identificado" no Banco do Brasil. Em junho do ano passado, o custo deste serviço era de R$ 2,85, enquanto neste ano é de R$ 8,50.
Na comparação entre os bancos, a maior diferença foi encontrada no Pacote Padronizado IV. O menor valor cobrado é de R$ 25,50 no HSBC, enquanto que no Itaú o mesmo pacote custa R$ 36 (41,18% mais caro).
Os bancos são obrigados a oferecer quatro tipos de pacotes de serviços padronizados pelo Banco Central no intuito de facilitar a comparação de preços por parte dos consumidores.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia