Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 29 de junho de 2016. Atualizado às 08h10.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

29/06/2016 - 08h10min. Alterada em 29/06 às 08h10min

Bolsas asiáticas fecham em alta diante de menor preocupação com Brexit

As bolsas da Ásia e do Pacífico subiram nesta quarta-feira (29), à medida que preocupações com a decisão do Reino Unido de deixar a União Europeia perderam força e investidores foram atrás de ações que baratearam muito desde a inesperada vitória do chamado "Brexit", em plebiscito realizado na semana passada.
No Japão, o índice Nikkei subiu 1,59%, encerrando o dia a 15.566,83 pontos, enquanto na China, o Xangai Composto avançou 0,7%, a 2.931,59 pontos, e o Shenzhen Composto, de menor abrangência, teve ganho mais moderado, de 0,2%, a 1.973,34 pontos.
Em outras partes da região asiática, o Hang Seng subiu 1,31% em Hong Kong, a 20.436,12 pontos, enquanto o sul-coreano Kospi apresentou ganho de 1,04% em Seul, a 1.956,36 pontos, o Taiex avançou 0,95% em Taiwan, a 8.586,56 pontos, e o filipino PSEi registrou alta de 1,72%, a 7.798,53 pontos.
A recuperação na Ásia se seguiu à forte valorização vista ontem nas bolsas europeias e de Nova Iorque, que também começaram a superar o choque causado pelo Brexit.
Analistas, no entanto, preveem que os mercados financeiros vão continuar voláteis enquanto o Reino Unido tenta definir sua futura relação com a UE, após o resultado do plebiscito do último dia 23.
"Um risco importante é a possibilidade de a libra perder seu status de moeda de reserva, diante da potencial instabilidade na economia do Reino Unido", comentou Bernard Aw, estrategista de mercado da corretora IG. "Grandes agências de rating já rebaixaram a nota de crédito do Reino Unido, devido a menor previsibilidade e eficiência das políticas (britânicas). Se isso acontecer, veremos pressão renovada sobre (a libra)", acrescentou.
Na segunda-feira, a Standard & Poor's cortou a nota do Reino Unido em dois graus, de AAA para AA, e a Fitch reduziu sua nota para o país europeu em um grau, a AA.
Na Oceania, a bolsa da Austrália seguiu a onda de recuperação global e o S&P/ASX 200 avançou 0,8% em Sydney, a 5.142,40 pontos. Contribuíram para o bom desempenho do índice ações do setor de energia e de mineração, assim como dos quatro maiores bancos australianos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia