Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 28 de junho de 2016. Atualizado às 10h07.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura internacional

28/06/2016 - 10h07min. Alterada em 28/06 às 10h07min

PIB dos EUA cresce à taxa anualizada de 1,1% no 1º trimestre

Os EUA cresceram mais do se imaginava nos primeiros três meses do ano, mas o ritmo contido de sua economia sugere que o país continua vulnerável a novos fatores globais de turbulência.
O Produto Interno Bruto (PIB) da maior economia do mundo avançou a uma taxa anualizada de 1,1% no primeiro trimestre, de acordo com a terceira estimativa do Departamento do Comércio norte-americano. O número indica melhora em relação a segunda e primeira estimativas, de +0,8% e +0,5%, respectivamente.
O resultado do PIB também superou levemente a expectativa de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, que previam alta anualizada de 1,0%. O ritmo de expansão entre janeiro e março, no entanto, foi o mais fraco em um ano.
A revisão favorável se deveu ao fato de as exportações dos EUA e os gastos de empresas com software e pesquisa e desenvolvimento terem apresentado desempenho melhor do que anteriormente calculado.
As exportações avançaram 0,3% no 1º trimestre, em vez da caírem 2%, como se estimou anteriormente. Já os lucros do setor corporativo - após impostos e desconsiderando-se ajustes de estoques e consumo de capital - subiram 3,3%, acima da alta calculada em 1,9% na prévia anterior.
Os investimentos totais das empresas, contudo, recuaram ante o trimestre imediatamente anterior, registrando a queda mais forte desde o terceiro trimestre de 2009.
Além disso, os gastos com consumo, que representam até dois terços do PIB, foram revisados para baixo, mostrando acréscimo anualizado de 1,5% no primeiro trimestre, ante alta de 1,9% na leitura anterior.
Segundo relatório do Departamento do Comércio, os preços reduzidos do petróleo têm ajudado consumidores, mas comprometido os investimentos de empresas do setor, enquanto o crescimento das exportações se estabilizou, devido à ampla fraqueza dos mercados externos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia