Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 27 de junho de 2016. Atualizado às 09h01.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

27/06/2016 - 09h01min. Alterada em 27/06 às 09h01min

Principais bolsas asiáticas se recuperam, após perdas causadas por Brexit

As principais bolsas asiáticas tiveram um movimento de recuperação nesta segunda-feira (27), lideradas por Tóquio, após mostrarem fortes perdas na sessão anterior em reação à inesperada decisão do Reino Unido de votar por sua saída da União Europeia.
O índice japonês Nikkei subiu 2,39%, a 15.309,21 pontos, apagando parte do tombo de 7,92% que sofreu na sexta-feira na esteira do chamado "Brexit". Apesar disso, o mercado em Tóquio permanece nos menores níveis desde outubro de 2014, após se desvalorizar por quatro semanas consecutivas.
Operadores e analistas preveem que os negócios na Ásia irão mostrar volatilidade esta semana, à medida que os investidores buscarem avaliar como o Reino Unido irá ajustar suas relações com a Europa e monitorarem a possibilidade de mais contágio financeiro.
"As coisas estão se acomodando um pouco", comentou o chefe de ações asiáticas da corretora CLSA em Hong Kong, Rob Levine. Mas "os investidores ainda estão tentando digerir quem são os grandes ganhadores e perdedores", acrescentou.
Na China, as bolsas também avançaram, apesar de o banco central do país ter ajustado sua taxa de paridade para o yuan ao menor nível em cinco anos e meio, levando a moeda chinesa a fechar os negócios de hoje em Xangai no patamar mais baixo frente ao dólar desde dezembro de 2010. O Xangai Composto avançou 1,5%, a 2.895,70 pontos, enquanto o Shenzhen Composto, de menor abrangência, teve alta ainda mais expressiva, de 2,4%, a 1.946,70 pontos.
Os setores chineses de cobre a aço foram destaque positivo, em meio a um movimento especulativo que se seguiu ao anúncio de metas de Pequim para reduzir a capacidade de produção nessas duas indústrias.
A exceção entre os mercados mais relevantes foi o de Hong Kong, onde o Hang Seng terminou o dia em leve baixa de 0,16%, a 20.227,30 pontos. Durante a sessão, porém, o Hang Seng chegou a cair 1,4%.
Entre bolsas menores da Ásia, o índice filipino PSEi registrou ganho de 1,13% em Manila, a 7.715,90 pontos, e o sul-coreano Kospi mostrou alta marginal de 0,08%, a 1.926,85 pontos, mas o Taiex recuou 0,21% em Taiwan, a 8.458,87 pontos.
Na Oceania, a bolsa australiana se recuperou discretamente. O S&P/ASX 200, que reúne as empresas mais negociadas em Sydney, avançou 0,5%, a 5.137,20 pontos, depois de cair 3,2% nos negócios de sexta, também em função do Brexit. Destacaram-se hoje grandes mineradoras anglo-australianas, como BHP Billiton (+3,1%) e Rio Tinto (+2,9%).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia