Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 27 de junho de 2016. Atualizado às 00h41.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

Notícia da edição impressa de 27/06/2016. Alterada em 27/06 às 00h40min

Medidas de Temer são limitadas, dizem analistas

Governo precisa atender a sociedade e a classe política, afirma FHC

Fernando Henrique Cardoso. Crédito Paula Ponzi


PAULA PONZI/DIVULGAÇÃO/JC
Marina Schmidt, de Atibaia (SP)
É recorrente a ideia de que a crise abre uma oportunidade. Com o Brasil vivendo uma das mais graves recessões de sua história, surge a chance de correção de rumos. Esse cenário, no entanto, é limitado e tem se desenhado de forma nebulosa ainda, diagnosticam especialistas que participaram, neste fim de semana, da Expert 2016, maior evento da América Latina para profissionais de investimento.
O momento imediato é previsível: todas as atenções do governo interino de Michel Temer estão centradas na conclusão do impeachment da presidente Dilma Rousseff, lembrou o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC), figura mais celebrada do evento realizado em Atibaia, a 70 quilômetros de São Paulo, pela XP Investimentos. Como a votação do impedimento está prevista para agosto, Temer está no meio de um processo em que tudo joga contra suas ações.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia