Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 24 de junho de 2016. Atualizado às 08h17.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

24/06/2016 - 08h17min. Alterada em 24/06 às 08h17min

Em reação ao Brexit, bolsas da Ásia e do Pacífico têm pregão de fortes perdas

As bolsas da Ásia e do Pacífico fecharam na maioria em forte baixa nesta sexta-feira (24), em reação à inesperada decisão dos britânicos de votar para que o Reino Unido saia da União Europeia, em plebiscito realizado ontem. O chamado "Brexit" foi aprovado por 51,9% do eleitorado britânico, segundo apuração final divulgada nesta madrugada.
O mercado em Tóquio liberou as perdas, com queda de 7,92% no índice Nikkei, a 14.952,02 pontos. A desvalorização do índice japonês foi a maior em um único pregão desde março de 2011 e o nível de fechamento é o menor desde outubro de 2014.
Os negócios no Japão também foram pressionados pelo iene, que disparou ante o dólar em reação ao Brexit.
Em outras partes da Ásia, o índice Hang Seng caiu 2,92% em Hong Kong, a US$ 20.259,13 pontos, enquanto o sul-coreano Kospi teve baixa de 3,09% em Seul, a 1.925,24 pontos, o Taiex recuou 2,57% em Taiwan, a 8.453,48 pontos, e o filipino PSEi registrou queda de 1,41%, a 7.621,11 pontos.
Na China, a reação ao resultado do plebiscito britânico foi relativamente mais contida. O Xangai Composto, principal índice acionário do país, encerrou o dia com perdas de 1,3%, a 2.854,29 pontos, enquanto o Shenzhen Composto, de menor abrangência, caiu 0,8%, a 1.900,60 pontos.
Embora o Reino Unido não seja um grande mercado comprador para a maioria dos países asiáticos, várias empresas da região fizeram pesados investimentos no país europeu.
No Japão, as ações do conglomerado industrial Hitachi sofreram um tombo de 10,3%, enquanto as da agência de publicidade Dentsu despencaram 12,5% e as da montadora Nissan caíram 8,1%.
Os papéis dos bancos britânicos HSBC e Standard Chartered listados em Hong Kong, por sua vez, recuaram 6,6% e 9,5%, respectivamente.
Na Oceania, a bolsa australiana também foi pega de surpresa pelo Brexit, uma vez que as últimas pesquisas de opinião vinham indicando que o Reino Unido votaria pela permanência na UE. O S&P/ASX 200, índice que reúne as empresas mais negociadas em Sydney, terminou o pregão com queda de 3,2%, a maior desde 29 de setembro de 2015, a 5.113,20 pontos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia