Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 22 de junho de 2016. Atualizado às 23h53.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura Internacional

Notícia da edição impressa de 23/06/2016. Alterada em 22/06 às 21h25min

UE não está disposta a beneficiar Reino Unido

População britânica vai às urnas hoje para responder ser o país deve continuar como membro da União Europeia; votação divide opiniões

População britânica vai às urnas hoje para responder ser o país deve continuar como membro da União Europeia; votação divide opiniões


fotos JUSTIN TALLIS/AFP/JC
O presidente da Comissão Europeia, o braço executivo da União Europeia (UE), Jean-Claude Juncker, descartou ontem a possibilidade de o Reino Unido negociar melhores termos de adesão ao bloco caso o plebiscito que ocorre hoje decida pela sua saída. "Fora é fora", resumiu Juncker quando questionado sobre se a UE estaria disposta a oferecer melhores termos de adesão aos britânicos para evitar que a separação seja concretizada.
Nos últimos meses, como preparação para a votação popular de hoje, o primeiro-ministro inglês David Cameron obteve uma série de concessões de Bruxelas para limitar a imigração e a integração regional. Juncker disse que Cameron conseguiu "o máximo que ele poderia, e nós cedemos o máximo que podíamos", e que, portanto, "não haverá uma nova negociação".
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia