Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 22 de junho de 2016. Atualizado às 23h54.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

agronegócios

Notícia da edição impressa de 23/06/2016. Alterada em 22/06 às 21h26min

Com retração vendedora, arroz em casca atinge novo recorde

Indicador aponta que cereal registrou valorização de 8,93% neste mês

Indicador aponta que cereal registrou valorização de 8,93% neste mês


MARCO MARI/DIVULGAÇÃO/JC
A baixa oferta de arroz em casca e a firme demanda por parte da indústria vêm impulsionando as cotações do produto. Ontem, o Indicador Esalq/Senar-RS (58% grãos inteiros) atingiu novo recorde nominal, de R$ 47,55 a saca de 50 quilos, alta de 3,27% em relação à quarta-feira anterior. Na parcial de junho (até o dia 22), a valorização é de 8,93%. Com a colheita finalizada, a quebra significativa no volume da safra 2015/2016 fez com que boa parte dos orizicultores se retraísse.
De acordo com colaboradores do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) da Esalq/USP, alguns produtores também têm optado por "fazer caixa" com a venda de outras commodities, na expectativa de que o preço do arroz em casca mantenha o ritmo de alta. Nesse cenário, beneficiadoras consultadas pelo Cepea, com forte interesse de compra, precisam ofertar valores mais altos para o arroz depositado e "livre" (depositado nos armazéns das propriedades rurais).
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia