Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 22 de junho de 2016. Atualizado às 17h49.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

22/06/2016 - 17h49min. Alterada em 22/06 às 17h49min

Petróleo cai, pressionado por dados dos estoques dos EUA e possível Brexit

Os contratos futuros de petróleo fecharam em queda na sessão desta quarta-feira, (22) pressionados por quedas menores do que esperado dos estoques semanais de petróleo dos Estados Unidos.
O WTI para agosto, negociado na New York Mercantile Exchange (Nymex), fechou em queda de 1,44% (-US$ 0,72), aos US$ 49,13 por barril. Já o Brent negociado em Londres recuou 1,46% (US$ 0,74), aos US$ 49,88 por barril.
Os estoques norte-americanos de petróleo bruto, calculados pelo Departamento de Energia (DoE) dos EUA, caíram 917 mil barris na semana encerrada em 18 de junho, mas os analistas consultados pelo Wall Street Journal previam um recuo de 1,6 milhão de barris.
O dado fez com que o petróleo apagasse os ganhos registrados no começo do dia e reacendeu preocupações com o excesso de oferta da commodity no mercado. A contagem do DoE também veio muito aquém do que foi divulgado pelo American Petroleum Institute (API) ontem, que estimava queda de 5,2 milhões de barris.
Além disso, o petróleo também foi pressionado por uma nova pesquisa a respeito do plebiscito que decidirá a saída ou a permanência do Reino Unido na União Europeia. O levantamento mostrou uma ligeira vantagem do voto pelo Brexit, como foi apelidado o movimento de saída. Apesar do Brexit não influenciar diretamente os preços do petróleo, ele causa um impacto colateral no mercado como um todo, gerando perda de apetite pelo risco. Fonte: Dow Jones Newswires
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia