Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 22 de junho de 2016. Atualizado às 00h03.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 22/06/2016. Alterada em 21/06 às 21h20min

Opinião econômica: Brexit

Delfim Netto foi ministro, embaixador e deputado federal

Delfim Netto foi ministro, embaixador e deputado federal


VALTER CAMPANATO/abr/jc
Delfim Netto
Por definição, uma "crença" é uma proposição aceita como verdadeira, mas com base em evidências inconclusivas. Deveria ser claro que o que acreditamos baseados no nosso sentimento e emoção não é, necessariamente, o que deveríamos acreditar com fundamento nas evidências. É por isso que se recomenda um ceticismo cauteloso. Não resistimos às "crenças" apenas porque podem não ser verdadeiras, mas para vê-las enfrentar a evidência factual. Todo conhecimento começa com a hipótese de que a proposição é falsa até que se encontre uma demonstração convincente.
A teoria da "dissonância cognitiva" de Festinger sugere que, quando uma "crença" submetida a uma experiência crítica é desmentida, os seus seguidores se dividem. Uns a abandonam. Outros reinterpretam as evidências para continuar a cultivar a sua "crença". Por exemplo, o "socialismo" anunciado por Lênin, em 1917, que deveria levar a sociedade com plena liberdade individual, com a mais completa igualdade e com o aumento da eficiência produtiva, revelou-se o oposto de tudo isso, conforme denunciado por Khrushchev em 25/2/1956. Um bom número de pessoas abandonou a sua "crença" no socialismo "real", mas uma minoria continua reinterpretando as evidências para poder cultivar a sua "crença" no socialismo "ideal", como vemos todos os dias na generosa esquerda infantil que vive entre nós.
Há momentos cruciais, em que as consequências das decisões da sociedade são de tal magnitude, que é preciso consultá-la diretamente, por um plebiscito, por exemplo, que revelará a "crença" que é majoritária. A posição de cada um depende da qualidade da sua informação e do que espera no futuro que é sempre "aberto" e rigorosamente opaco. Não há, portanto, garantia que a decisão majoritária de hoje seja a melhor quando o futuro já for presente.
Amanhã o Reino Unido decidirá se sai (o Brexit) ou fica na União Europeia, que acumula graves problemas de administração política e singular déficit democrático. Há uma trágica divisão da sociedade inglesa revelada por pesquisas específicas. Entre os mais informados que vêm mais longe (cientistas, sociólogos, economistas etc.) a permanência tem mais do que 2/3 dos votos. Na população, em geral, na qual a miopia curto-prazista é amplamente majoritária há, até hoje, uma indecisão. Na minha opinião, o Brexit no longo prazo tem toda a probabilidade de ser uma má solução para o próprio Reino Unido e toda a probabilidade de disparar novos separatismos nele e em outros países que serão prejudiciais à construção de uma ordem mundial pacífica.
O "juízo final" será, entretanto, dado pela História. Como já sabemos ele, em geral, só chega quando é tarde demais para o arrependimento...
Economista, ex-deputado federal e ex-ministro da Fazenda, do Planejamento e da Agricultura
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia