Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 21 de junho de 2016. Atualizado às 15h15.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Telecomunicações

21/06/2016 - 15h16min. Alterada em 21/06 às 15h16min

Pedido de recuperação da Oi gera impacto negativo na cadeia de telecom, afirma Fiesp

O pedido de recuperação judicial da Oi tende a causar efeitos negativos sobre a indústria de telecomunicações, uma vez que a companhia acumula aproximadamente R$ 1,5 bilhão de dívidas com fornecedores.
"Numa situação assim, os credores podem ter problemas. O setor depende de investimentos contínuos. Quando uma empresa de infraestrutura deixa de receber, ela fica sem apoio", afirmou Victor Olszenski, diretor da divisão de Telecomunicações do Departamento de Infraestrutura da Fiesp.
Outro ponto sensível do processo de recuperação judicial é a discussão sobre o valor e a lista de ativos que compõem os bens reversíveis da Oi. Os bens reversíveis são ativos essenciais para a prestação do serviço alvo da concessão. Ao fim do contrato, eles retornam ao poder público para que possam ser destinados a uma nova concessão, garantindo a continuidade dos serviços.
Como as características tecnológicas do setor avançaram muito na última década, as discussões sobre a listagem desses ativos serão complexas. "Sem acordo, isso pode ser judicializado e parar no Supremo Tribunal Federal, demorando anos para uma definição", afirmou Olszenski.
O executivo disse ainda torcer para que a definição da recuperação judicial da Oi seja rápida e não represente impactos na prestação do serviço para os consumidores.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia