Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 16 de junho de 2016. Atualizado às 17h03.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

16/06/2016 - 17h03min. Alterada em 16/06 às 17h03min

Ouro fecha em alta pela 7ª sessão seguida e chega a maior nível em 2 anos

Os contratos futuros de ouro fecharam nesta quinta-feira (16) a sétima sessão de alta consecutiva, atingindo o maior nível em quase dois anos. Durante as negociações, o metal amarelo chegou a ultrapassar a marca de US$ 1.300,00 por onça-troy, mas acabou fechando um pouco abaixo disso.
O contrato para agosto fechou com elevação de 0,78%, a US$ 1.298,40 por onça-troy na Comex, a divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).
A alta do ouro desta quinta-feira é um reflexo da decisão do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), divulgada na quarta-feira, de manter as taxas de juros inalteradas, na faixa de 0,25% a 0,50% ao ano. "Quanto mais o Fed postergar uma elevação dos juros, melhor para o ouro", afirmaram analistas do HSBC em nota divulgada para seus clientes.
Ao longo da semana, o ouro também vinha acumulando ganhos devido a outro motivo: a possibilidade do Reino Unido deixar a União Europeia, movimento apelidado de "Brexit". Como o ouro é percebido por investidores como um investimento seguro, acaba se tornando atrativo em momentos de incerteza política ou econômica e, segundo o HSBC, o metal poderá ficar acima de US$ 1.400,00, caso o voto pela saída vença o plebiscito do dia 23. Fonte: Dow Jones Newswires.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia