Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 13 de junho de 2016. Atualizado às 10h55.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

negócios corporativos

13/06/2016 - 10h35min. Alterada em 13/06 às 10h55min

Microsoft anuncia a compra do LinkedIn, em negócio de US$ 26,2 bilhões

Expectativa é que o acordo de compra seja concluído neste ano

Jeff Weinder, CEO do Linkedni, Satya Nadella, CEO da Microsoft, e Reid Hoffman, cofundador do LinkedIn


Divulgação/Microsoft/JC
A Microsoft informou nesta segunda-feira (13) que chegou a um acordo para comprar o LinkedIn, uma rede social de contatos profissionais, por US$ 26,2 bilhões em dinheiro. A Microsoft pagará US$ 196 per ação do LinkedIn, um prêmio de 50% em relação ao preço de fechamento do papel na sexta-feira.
Em posto em seu blog, a Microsoft afirmou que o LinkedIn manterá a marca, a cultura e a independência. O executivo-chefe do LinkedIn, Jeff Weiner, manterá o posto e se reportará ao executivo-chefe da Microsoft, Satya Nadella.
A expectativa é que o acordo seja concluído neste ano. Após o anúncio, as ações do subiam 48% no pré-mercado em Nova Iorque, enquanto as da Microsoft caíam 0,4%.
O LinkedIn tem tido um ano de notícias mistas, com um relatório trimestral otimista de abril que compensa em parte a previsão fraca de fevereiro. Essas projeções da empresa geraram uma onda de venda de suas ações, o que levou o papel a perder quase metade do valor. Cerca de dois terços da receita do LinkedIn vem de sua divisão de soluções de talentos, que ajuda recrutadores a encontrar candidatos para vagas, em contraste com outras redes sociais que dependem em grande medida da receita com publicidade. A unidade gerou US$ 588 milhões em receita no primeiro trimestre, alta de 41% ante igual período de 2015.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia