Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 10 de junho de 2016. Atualizado às 08h23.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

10/06/2016 - 08h21min. Alterada em 10/06 às 08h23min

Petróleo recua pressionado pelo dólar forte, apesar de problemas na produção

Os preços do petróleo operam em queda nesta sexta-feira (10) em meio a valorização geral do dólar, apesar de demanda forte das refinarias e interrupções no fornecimento global, como ataques em oleodutos na Nigéria.
Às 7h30min (de Brasília), o WTI para julho negociado na New York Mercantile Exchange (Nymex) caía 1,19%, para US$ 49,96 por barril, enquanto o Brent na Intercontinental Exchange (ICE) tinha retração de 0,98%, a US$ 51,44 por barril.
Segundo analistas do banco ANZ, uma recuperação no dólar tem pressionado os preços do petróleo, tornando a importação de combustíveis para outros países mais cara.
No entanto, a forte demanda global por petróleo especialmente de refinarias, bem como interrupção do fornecimento da matéria-prima, estavam limitando as perdas.
Hoje, militantes do Delta do Níger reivindicaram a responsabilidade por um ataque contra um importante oleoduto de transporte de petróleo no Estado nigeriano de Bayelsa, da Agip, uma subsidiária da italiana Eni. O ataque contra o oleoduto ocorreu por volta das 3h (hora local), segundo comunicado do grupo militante Vingadores do Delta do Níger em sua conta oficial no Twitter. A Eni ainda não comentou o caso.
Nas últimas semanas, militantes na região têm atacado a infraestrutura de petróleo da Nigéria. Essas ações são mais um revés para o setor, que sofre com vários problemas para tentar restaurar a produção.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia