Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de dezembro de 2016. Atualizado às 15h49.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Agronegócios

Notícia da edição impressa de 10/06/2016. Alterada em 27/12 às 16h50min

Safra de grãos do País deve ter queda de 5,4%

 Colheita de lavoura de milho em Condor. Karine Viana - Palácio Piratini

Colheita de lavoura de milho em Condor. Karine Viana - Palácio Piratini


KARINE VIANA/PALÁCIO PIRATINI/JC
A produção brasileira de grãos na safra 2015/2016 deve alcançar 196,49 milhões de toneladas, o que corresponde a uma queda de 5,4% (11,12 milhões de toneladas a menos) em comparação com 207,67 milhões de toneladas na safra 2014/2015. Os dados fazem parte do 9º Levantamento de safra da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), divulgado nesta quinta-feira. A Conab informa que a estimativa é superior à safra 2013/2014, que foi de 193,6 milhões de toneladas.
Conforme comunicado da estatal, a queda na produção é resultado de adversidades climáticas, que prejudicaram o milho primeira e segunda safras durante o ciclo vegetativo, como estiagens prolongadas e altas temperaturas. A primeira safra do cereal, que deve alcançar 26,2 milhões de toneladas, registrou queda de 3,9 milhões de toneladas. Já a segunda safra de milho, que começa a ser colhida este mês, tem previsão de 50 milhões, o que representa recuo de 4,6 milhões de toneladas. No total, a produção nacional de milho deverá diminuir 10%, para 76,23 milhões de toneladas em comparação com 84,67 milhões da safra 2014/2015.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia