Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 07 de junho de 2016. Atualizado às 11h30.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

07/06/2016 - 11h30min. Alterada em 07/06 às 11h30min

Indicado ao Banco Central, Ilan Goldfajn diz que vai retribuir confiança e atingir a meta de inflação

O indicado à presidência do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, afirmou nesta terça-feira (7) que, à frente da autoridade monetária, retribuirá confiança depositada em sua indicação atingindo meta de inflação. Segundo ele, a manutenção de nível baixo e estável de inflação reduz incertezas e torna a sociedade mais justa.
Em sua fala inicial na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, Ilan agradeceu a indicação feita pelo presidente em exercício Michel Temer e disse que retorno ao serviço público tem significado especial. "Retorno é excelente oportunidade para, no momento que o País mais necessita, devolver o investimento que a sociedade depositou em mim", disse.
Ele disse se sentir gratificado a voltar a ser sabatinado após 16 anos, já que foi diretor do BC entre 2000 e 2003, quando ajudou a implementar o sistema de metas. Para atingir a meta, ele disse que o País conta com um robusto arcabouço, que é o sistema de metas. Sendo assim disse que vai mira o centro da meta. "Bandas de tolerância servem para acomodar choques", afirmou.
Ilan assumiu o compromissos de manter e aprimorar o rigor do BC. Ele disse que o sistema financeiro está solido, líquido e bem capitalizado. Afirmou ainda que é imprescindível manter e aprimorar a autonomia do BC.
Na apresentação de Ilan, a presidente da CAE do Senado, senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), ressaltou que o momento é "adverso". Ela citou as dificuldades no âmbito da economia e também da política, em meio à definição do desfecho do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff (PT).
"Na condição de presidenta desta comissão, não poderia deixar de registrar responsabilidade desta comissão de votar a indicação do senhor Ilan para presidente do Banco Central", afirmou Gleisi na abertura da sessão. Mais cedo, a senadora afirmou que o nome de Ilan deve ser aprovado pela comissão, mas não de forma unânime.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia