Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 06 de junho de 2016. Atualizado às 16h29.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

06/06/2016 - 16h30min. Alterada em 06/06 às 16h30min

Ouro fecha em alta com percepção de que Fed não aumentará juros no curto prazo

Os contratos futuros de ouro fecharam em alta na sessão desta segunda-feira (6) influenciados pela menor expectativa de que o Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) eleve os juros básicos da economia norte-americana nos próximos meses.
O contrato para agosto negociado na Comex, a divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex) subiu 0,36%, cotado a US$ 1.247,40 por onça-troy.
A percepção dos investidores de que o Fed deve postergar um aperto monetário aumentou após o relatório de emprego (payroll), divulgado na sexta-feira passada, vir muito abaixo das expectativas dos analistas.
De acordo com analistas do Standard Bank, o payroll enterrou a possibilidade de uma alta de juros em junho. "A principal razão para vender ouro evaporou no curto prazo", diz nota direcionada aos investidores.
Em discurso proferido hoje, a presidente do Fed, Janet Yellen, disse que o dado levantou incertezas sobre a perspectiva da economia norte-americana, bem como sobre qual seria o caminho apropriado da política monetária.
"Quanto mais o Fed esperar para aumentar os juros, melhor para o ouro", disse o estrategista do HSBC, James Steel, em relatório. No entanto, segundo Steel, novos dados que mostrarem uma recuperação da economia podem moderar os ganhos futuros.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia