Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de dezembro de 2016. Atualizado às 15h39.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Roberto Brenol Andrade

Palavra do Leitor

Notícia da edição impressa de 02/06/2016. Alterada em 27/12 às 16h40min

Delações

Na edição de 01/06/2016 do Jornal do Comércio, coluna Palavra do Leitor, a leitora Nara da Mata faz uma análise equivocada, ou consciente na sua ideologia, quando diz que as deleções premiadas que indicaram pessoas do PT não valiam. Ao contrário, senhora, para o juiz da causa, e para a imprensa, todas valeram, as que não valeram foram as contra o PSDB. O que temos agora em pauta são confissões do golpe, tramado principalmente pelo PMDB. Estas, para a Justiça, ainda não valeram. Mas, acredito que com a realidade podre posta, a nossa Suprema Corte deve agir, para o bem da imagem do País. (Antonio Vilson Pereira, advogado, Santa Rosa/RS)
Ainda golpe?
Segundo o Jornal do Comércio, na coluna Frases e Personagens, o deputado federal gaúcho Henrique Fontana (PT), assim como todos seus correligionários, ainda fala em golpe, mesmo com índices negativos em todas as atividades brasileiras e recorde no desemprego, passando dos 11 milhões, sem falar na confirmação da montagem dos esquemas liderados por seu partido. Estão completamente fora da casinha. (Eduardo Fossati, engenheiro)
CGU e Transparência
A escola burocrática de administração surgiu da ideia de desconfiança nas relações. A burocracia existe, porque não há confiança na ação dos agentes. Assim, havia a necessidade de um órgão de controle. O que a Controladoria-Geral da União (CGU) fazia era fiscalizar se as ações dos órgãos públicos estavam seguindo a letra morta da lei. Assim, verificava se o servidor público, por exemplo, exigiu a cópia autenticada frente e verso do comprovante de residência do cidadão para conceder um benefício garantido por lei. No sentido oposto, quando há confiança nas relações, esse controle burocrático deixa de ser necessário. Mas para que haja confiança, acima de tudo, há que ter transparência nas relações. Na nova era da Revolução Científico-Tecnológica, quando os processos administrativos passam a ser digitais e on-line, o controle do governo é feito pela sociedade (e não o contrário). Por isso, o fim da Controladoria-Geral da União, transformada em Ministério da Transparência, é um sinal de avanço, que coaduna com as mudanças que estamos vivendo. A tentativa de carimbar essa mudança como tentativa de impedir o controle da corrupção é uma falácia promovida por aqueles que tentam desestabilizar o novo governo. (Anderson Teixeira Gonçalves, servidor público federal)
Ponte do Guaíba
Em relação à reportagem Obras da nova ponte do Guaíba estão quase paradas (Jornal do Comércio, 31/05/2016), espero que essa obra não se torne mais um "elefante branco" no Brasil! (Pablo Valadão, Caxias do Sul/RS)
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia