Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 19 de junho de 2016. Atualizado às 22h17.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR

Frases e Personagens

Notícia da edição impressa de 20/06/2016. Alterada em 19/06 às 20h32min

Frases e personagens

 Brazilian Finance Minister Henrique Meirelles gestures at a press conference to explain the government's economic measures aimed at curbing public spending and reviving growth, in the Planalto Palace, the seat of government, in Brasilia on May 24, 2016. / AFP PHOTO / EVARISTO SA

Henrique Meirelles, ministro da Fazenda


EVARISTO SA/AFP/JC
"A queda de ministros do governo do presidente em exercício, Michel Temer (PMDB), não tem alterado a rotina de trabalho da equipe econômica." Henrique Meirelles, ministro da Fazenda.
"Sou candidato a fazer um bom trabalho no Ministério da Fazenda e corrigir essa trajetória fiscal que temos desde a Constituinte. Conseguindo fazer isso, estarei realizado profissionalmente." Também Henrique Meirelles.
"Em maio de 2016, o nível de emprego da indústria paulista, sem o ajuste sazonal, sofreu recuo de 0,33% em relação ao mês de abril, o que representa perda de 7.500 postos de trabalho no período. No acumulado do ano até maio, foram registradas 41 mil demissões." Guilherme Moreira, gerente do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos da Fiesp/Ciesp.
"Ainda não há nenhum sinal de uma retomada do emprego em São Paulo. A perda de vagas em maio foi ruim, no entanto não é o pior maio da série, e está abaixo das demissões registradas no início do ano no setor. Janeiro, que é um mês em que normalmente se contrata, tivemos 14.500 demissões e, em fevereiro, 13 mil." Também Guilherme Moreira.
"Deixamos o Centro Administrativo Fernando Ferrari (Caff), porque o governo marcou encontro. Mas, em nenhum momento, o Cpers/Sindicato deixou de lado a luta pelo pagamento do Piso Salarial do Magistério e dos reajustes. E, como a Brigada Militar bateu em crianças durante o dia, poderia, à noite, bater em professores para nos tirar do Caff." Helenir Aguiar Schürer, presidente do Cpers/Sindicato.
"Nesta segunda-feira, distribuiremos aos núcleos do Cpers o que foi falado na reunião, com a proposta do governo de manter o Difícil Acesso. Depois que opinarem, provavelmente marcaremos assembleia geral, sobre os destinos da greve." Também Helenir Aguiar Schürer.
"Não podemos mentir para o magistério e a sociedade gaúcha: o Estado não tem condições de dar reajuste para os professores, mesmo reconhecendo que merecem." Luís Antônio Alcoba de Freitas, secretário da Educação.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia