Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 16 de junho de 2016. Atualizado às 22h31.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR

Frases e Personagens

Notícia da edição impressa de 17/06/2016. Alterada em 16/06 às 20h58min

Frases e personagens

Giovani Feltes, Secretário da Fazenda do Estado do Rio Grande do Sul

Giovani Feltes, Secretário da Fazenda do Estado do Rio Grande do Sul


ANTONIO PAZ/JC
"Houve alguns danos na Secretaria da Fazenda com a invasão. Durante quatro anos, havia problemas nas escolas, e ninguém se manifestou. Tivemos escolas de lata nos quatro anos anteriores ao nosso, e ninguém invadiu escola alguma. Esse movimento está insuportável. Não temos dinheiro para pagar o salário em dia. Como vamos dar aumento? É um negócio meio maluco o que está havendo. Pegamos o Estado endividado, quebrado, e não estamos a reclamar." Giovani Feltes, secretário da Fazenda.
"Foram cerca de 40 invasores ou ocupantes do prédio histórico da Fazenda, após o acordo para a desocupação do saguão da Assembleia Legislativa. Temos 2.500 escolas públicas, e 148 ocupadas. Mas é invasão com cunho político. Tínhamos obras em andamento nas escolas, aplicamos dinheiro. E temos reuniões, sim, com os grevistas. A Brigada (BM) agiu bem. A BM deu prazo para os estudantes, pediu para saírem com toda educação, antes da retirada forçada." Também Giovani Feltes.
"Enquanto o governo não apresentar uma proposta à categoria, não desimpediremos a entrada no Centro Administrativo Fernando Ferrari." Helenir Aguiar Schürer, presidente do Cpers/Sindicato.
"O Comando de Greve está exigindo do governo a apresentação de propostas para as pautas prioritárias: retirada do PL 44, do reenquadramento do difícil acesso e a questão da hora atividade. A luta pelo pagamento do piso, no plano de carreira, e dos reajustes emergenciais são bandeiras permanentes do Sindicato." Também Helenir Aguiar Schürer.
"A prefeitura diz que não tem dinheiro para pagar o reajuste de 9,28%. No entanto, auditores e alguns servidores da Fazenda ganharam gratificação de incentivo para fazer a obrigação deles." Carmen Padilha, diretora do Sindicato dos Municipários.
"A prefeitura não tem condições de pagar os 9,28%, a não ser parcelando. A arrecadação está caindo. Talvez, tenhamos que parcelar os vencimentos em agosto." Paulo Guimarães, secretário de Administração de Porto Alegre.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia