Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 28 de dezembro de 2016. Atualizado às 10h24.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Fernando Albrecht

Começo de Conversa

Notícia da edição impressa de 06/06/2016. Alterada em 28/12 às 11h29min

Volta às origens I

LUIZ CHAVES/PALÁCIO PIRATINI/JC
No lançamento da pedra fundamental da ampliação do prédio da Farsul, o presidente da entidade, Carlos Sperotto, e o governador José Ivo Sartori (PMDB) voltaram às origens ao abrir o buraco para a colocação de um pedaço de concreto do atual prédio. Mexer com a terra lhes é familiar. A nova instalação terá sete pavimentos, mais estacionamentos no subsolo.

Volta às origens II

O detalhe curioso é que a construção poderia estar pronta há muito tempo não fosse um jacarandá no meio do terreno, utilizado como estacionamento. Levou dois laboriosos anos atendendo o cipoal burocrático para que a prefeitura finalmente permitisse a remoção da árvore, e mesmo assim para ser transplantada em outra "moradia".
 

O conceito de mordomia

1985. Na véspera da convenção do PDS que elegeu Paulo Maluf como candidato à presidência da República, a Globo acompanhou a revoada de jatos executivos que trouxeram os delegados a Brasília. Do Rio Grande do Norte veio o governador José Agripino Maia. No caminho entre o jatinho e um Ford Landau que o levaria ao hotel cinco estrelas, a repórter da emissora interrompeu o andar.
- O senhor não fica constrangido com toda essa mordomia?
Agripino olhou a jornalista com ar de pena.
- Minha filha, se você acha que botar alguém num jatinho, levá-lo de Landau a uma luxuosa suíte é mordomia, você realmente não sabe o que é mordomia de verdade.
 

Leitura no táxi

O Bibliotáxi Poa, que incentiva a leitura entre os passageiros de táxis em Porto Alegre, completou oito meses com mais de 20 mil livros distribuídos, envolvendo 3 mil taxistas que têm o aplicativo Easy Táxi. O ponto de captação é o balcão de informações do Shopping Total.
 

Lavagem expressa

Para passar o Brasil a limpo, foram precisos dois ficha suja: o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e o ex-deputado Roberto Jeferson (PTB-RJ). Esta é apenas mais uma das tantas singularidades do Brasil contemporâneo.
 

16 anos depois

Com o anúncio da candidatura de Vieira da Cunha (PDT) para a prefeitura de Porto Alegre, o jornalista Felipe Fontoura chama a atenção para um fato curioso: após 16 anos, acontecerá o encontro nas urnas de três derrotados nas prévias partidárias no ano 2000: Vieira, Sebastião Melo (PMDB) e Raul Pont (PT) não foram candidatos após, respectivamente, perderem para Alceu Collares, Cézar Busatto e Tarso Genro.
 

A sopa do Jacão

A biografia de Jaques Machado, o Jacão, que morreu semana passada, aos 74 anos, não se limita ao seu lado carnavalesco e a sua escola, Império da Zona Norte, e nem como combativo ex-vereador pelo PDT. Jacão foi muito além. Entre outras coisas, criou a Sopa do Pobre com doações de comerciantes da Ceasa e da Zona Norte como um todo.
 

A cor da batida I

Certamente que, entre os 513 deputados federais, uma parte, talvez boa parte, seja de homens de bem, e que devem estar constrangidos com a reputação dos políticos. Então como que uma parte consegue contaminar o todo?
 

A cor da batida II

Dá para explicar usando o exemplo de uma batida de frutas. Coloca-se no liquidificador frutas vermelhas, amarelas e brancas, como mamão, morango, maçã, banana e abacaxi, mas basta só meio abacate para esverdear tudo.
 

Miúdas

  • COM a morte do ex-senador Jarbas Passarinho, foi-se um dos últimos grandes tribunos do Brasil.
  • EXEMPLO gaúcho de tribuno foi Paulo Brossard. Os embates com Passarinho no Senado eram algo fora do comum.
  • DIFERENÇAS entre a corrupção do passado e a de hoje: percentual da comissão. Na época, 10% era teto.
  • OUTRA é que, naqueles tempos, a propina era horizontalizada, só o andar de cima. Hoje, é verticalizada.
  • IRONIA: reclamamos da poluição mundial, mas a fumaça do diesel dos caminhões empesta o ar da Capital.
  • JOSÉ Lutzenberger será personagem em publicação educativa ilustrada pelo cartunista Edgar Vasques.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
sergio 06/06/2016 08h19min
"A cor da batida" - Muito bem colocado. Este artigo deveria ser impresso no Diário da Câmara. Talvez, iriam criar um "MURAL" com o nome de todos os ABACATES da câmara e senado. Imaginem aqui em Porto Alegre, esse mural para os nossos Vereadores e Deputados estaduais, esqueci dos secretários municipais e estaduais.