Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 21 de junho de 2016. Atualizado às 19h49.

Jornal do Comércio

JC Contabilidade

COMENTAR | CORRIGIR

Entrevista

Notícia da edição impressa de 22/06/2016. Alterada em 21/06 às 19h15min

Investir em governança ainda desafia as empresas

Goes explica que algumas condições devem estar presentes para a implementação eficaz do sistema

Fernando Goes, sócio da empresa de consultoria empresarial Ockam Crédito Ockam Divulgação


OCKAM /DIVULGAÇÃO/JC
Roberta Mello
Governança corporativa é o sistema pelo qual as empresas e demais organizações são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo os relacionamentos entre sócios, conselho de administração, diretoria, órgãos de fiscalização e controle e demais partes interessadas. Investir nesse setor permite à organização preservar e otimizar o valor econômico de longo prazo da organização, facilitando seu acesso a recursos e contribuindo para a qualidade da gestão da organização, sua longevidade e o bem comum.
O sócio da Ockam, empresa de estratégia, consultoria e implementação de iniciativas voltadas para o desenvolvimento organizacional e transformação cultural, Fernando Goes defende que, "em relação à penetração da governança corporativa no espectro das empresas brasileiras, ainda há espaço para muita evolução". "Existem muito mais empresas no Brasil que se beneficiariam de um sistema de governança do que as que têm isto implementado", argumenta Goes.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia