Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 23 de maio de 2016. Atualizado às 22h50.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

manifestação

Notícia da edição impressa de 24/05/2016. Alterada em 23/05 às 22h50min

Artistas da Capital protestam contra restrição para ocupação das ruas

Vários artistas de rua realizaram uma assembleia geral ontem à noite, no prédio da superintendência do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em Porto Alegre, para debater a minuta do vice-prefeito Sebastião Melo (PMDB) que restringe o uso de espaços públicos por eles. A sede do Iphan está ocupada por manifestantes contrários à extinção do Ministério da Cultura e ao governo Michel Temer (PMDB). Segundo o texto, que vazou na semana passada, "a realização de eventos nos logradouros públicos de Porto Alegre depende de prévia autorização". Além disso, restringe o uso de instrumentos musicais em algumas áreas, como por exemplo o largo Zumbi dos Palmares. Alguns músicos que costumam se apresentar nos fins de semana nos arredores do Parque da Redenção chegaram a ser abordados por funcionários da prefeitura neste fim de semana. Por exemplo, o grupo Cartas na Rua, que publicou uma nota na sua página no Facebook: "Ele (o funcionário da prefeitura) foi incisivo: 'agora as regras vão mudar!', disse o oficial, 'espaços serão demarcados e criaremos um rodízio dos artistas'. Solicitou nossos dados. Argumentamos que, nas artes de rua, há uma autogestão, e que qualquer tentativa de regulamentação seria uma arbitrariedade".
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia