Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 12 de maio de 2016. Atualizado às 08h09.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Crise Política

12/05/2016 - 00h24min. Alterada em 12/05 às 08h08min

Lasier Martins é favorável ao processo de impeachment

Lasier Martins na sessão no Senado

Lasier Martins na sessão no Senado


MARCOS OLIVEIRA/AGÊNCIA SENADO/JC
O senador gaúcho Lasier Martins (PDT-RS) defendeu que os fundamentos jurídicos para o afastamento da presidente Dilma Rousseff estão presentes no processo e indicou ser favorável à admissibilidade.
"Isso já foi exaustivamente comentado e dissecado e contextualizado. Para quem votará pelo afastamento, convém repetir que houve crime de responsabilidade", reforçou o parlamentar em seu primeiro mandato.
Além do senador pedetista, Ana Amélia lemos (PP-RS) seguiu a mesma opinião. Ela foi a primeira a discursar na sessão que começou na manhã desta quarta-feira (11).
Lasier citou os preceitos da Lei de Responsabilidade Fiscal, que foram afrontados pelo governo do PT. "Dilma cometeu o crime por atropelar a lei por transferir recursos de bancos públicos ao Tesouro, exaurido nos gastos, além de emitir crédito suplementar por ter gastado mais. Foi o governo da gastança", concluiu Dilma.
O senador do PDT citou pesquisas de opinião indicando que Dilma teria apenas 10% de apoio, o que desqualificaria a tese de que a presidente tem o respaldo de 54 milhões de eleitores, sua votação em 2014. "Mas será que não veem as pesquisas de opinião? Portanto, a presidente eleita com 54 milhões de votos teria, em muito, 10 milhões de votos, pois frustrou o eleitorado, escondeu a realidade econômica."
No discurso, Lasier citou a Operação Lava-Jato e duvidou que a presidente desconhecesse os casos de superfaturamento, apontados em compra de refinaria e em obras na Petrobras. O senador observou que espera que o novo governo não ameace a independência da Polícia Federal, para que seja levada adiante a investigação. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia