Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 16 de maio de 2016. Atualizado às 08h36.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

crise política

Notícia da edição impressa de 12/05/2016. Alterada em 12/05 às 01h04min

PT lança movimento 'Temer, o ilegítimo'

Maria do Rosário posta foto com Paim e afirma que seguirão lutando

Maria do Rosário posta foto com Paim e afirma que seguirão lutando


TWITTER/REPRODUÇÃO/JC
A bancada do PT na Câmara dos Deputados lançou, na tarde de ontem, um movimento chamado "Temer, o ilegítimo", em oposição a um eventual governo provisório do vice-presidente Michel Temer (PMDB). Os petistas enfatizaram que, após 13 anos como governistas, não se esqueceram de como fazer oposição e que adotarão uma linha firme contra o peemedebista, chamado, repetidas vezes, de "golpista". A tendência de atuação das bancadas será de obstrução aos projetos enviados pelo novo governo.
Enquanto poucos deputados participavam de uma sessão não deliberativa no plenário, os novos oposicionistas organizaram um ato no Salão Verde da Câmara, com cartazes dizendo "Temer não será presidente. Será sempre golpista" e "Fora Temer. Cunha jamais. Fica Dilma". Os parlamentares se revezaram no microfone com palavras de ordem enfatizando que Temer não será reconhecido como presidente da República. "Seremos oposição firme a Michel Temer. Não o chamaremos de presidente. E vamos avaliar as medidas dele criticamente", avisou a deputada federal gaúcha Maria do Rosário (PT). O deputado federal gaúcho Paulo Pimenta (PT) disse que a assinatura de Temer não terá valor, porque o peemedebista não teve nenhum voto para chegar à presidência da República. "Não reconheceremos nenhuma assinatura dele", completou Pimenta.
A nova oposição tende a obstruir as matérias enviadas por Temer ao Congresso e anunciou que vai analisar cada caso, mesmo que as medidas sejam parecidas com as defendidas pelo governo Dilma Rousseff. O argumento para a rejeição às medidas do futuro governo Temer é que Dilma tinha a legitimidade das urnas para enviar projetos e o peemedebista, não. "Nós sabemos muito bem fazer oposição e defender os interesses do Brasil. Não aceitamos que o voto seja rasgado", afirmou Maria do Rosário. Ela postou uma foto no Twitter, ao lado do senador Paulo Paim (PT), afirmando que seguirão lutando na oposição. "Vamos ter dois presidentes: uma legítima e outro imposto em situação de golpe", concluiu a presidente do PCdoB, deputada Luciana Santos (PE).
PT e PCdoB culparam a oposição por criar dificuldades econômicas para o País ao não aceitar o resultado das urnas em 2014 e acusaram os "golpistas" de interdição do governo Dilma. Os partidos de esquerda anunciaram que farão obstrução política, que vão se opor à reforma trabalhista e da Previdência (principalmente na questão da criação da idade mínima para aposentadoria), serão à favor da taxação de grandes fortunas, de herança e lucro sobre capital próprio, além da revisão da tabela do Imposto de Renda e CPMF com faixa de isenção até 10 salários-mínimos (com restituição através do Imposto de Renda e com alíquota superior às maiores movimentações bancárias). "Não vamos ser oposição boazinha, não", avisou a senadora Maria Regina Sousa (PT-PI), que representou os petistas do Senado no ato.
O grupo comparou a situação do Brasil aos golpes parlamentares em países como Honduras e Paraguai, e ressaltou que haverá mobilização das ruas para encurtar a passagem de Temer no Planalto, que começará com grande instabilidade política. A aposta dos partidos é que Temer não terá condições de unir o País. "Vai ter luta nas ruas. Não vamos aceitar esse governo biônico", disse Luciana Santos. "Serão 180 dias de muita luta", emendou a deputada Moema Gramacho (PT-BA).

Equipe sai junto com Dilma, exceto titulares do BC e Esportes

Em reunião realizada ontem, no Palácio do Planalto, o ministro Jaques Wagner (Chefia de Gabinete da Presidência) informou que todos os ministros serão exonerados, à exceção de Alexandre Tombini (Banco Central) e Ricardo Leyser (Esportes), assim que a presidente Dilma Rousseff (PT) for notificada de uma decisão do Senado determinando seu afastamento do governo.
Segundo o ministro, o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, que tem status de ministro, não será exonerado, porque, se fosse, o banco ficaria sem comando, e o vice-presidente Michel Temer (PMDB) não teria como reconduzi-lo automaticamente.
O nome de presidente do BC é uma escolha do presidente da República, mas precisa ser aprovado pelo Senado Federal para tomar posse. Ou seja, se Tombini saísse com todos os demais ministros de Dilma, o BC ficaria "acéfalo".
No caso do ministro dos Esportes, Jaques Wagner informou que ele também fica, porque é um técnico, que também acumula a secretaria executiva e tem a responsabilidade de coordenar, pelo governo federal, a organização dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.
Segundo o Planalto, as transições de cada área ficarão sob responsabilidade dos secretários executivos de cada ministério. Os ministros deixarão os cargos junto com Dilma.

Após reação, Temer volta atrás em indicação para a Defesa

Depois da forte reação negativa das Forças Armadas à informação de que Newton Cardoso Jr. (PMDB-MG) seria o ministro da Defesa de um provável governo Michel Temer (PMDB), o vice-presidente avisou a interlocutores que o deputado mineiro não será nomeado para ocupar a pasta caso o Senado confirme o afastamento da presidente Dilma Rousseff (PT).
A informação, que chegou a ser confirmada por deputados mineiros que estiveram com o peemedebista nesta quarta-feira pela manhã, caiu como uma bomba nas Forças Armadas. Um general da cúpula militar disse ser "inacreditável" e esperava que a indicação não se confirmasse.
Em tom de desabafo, o militar chegou a dizer que era "inacreditável que um menino de 36 anos venha a comandar homens de mais de 60 anos, num momento delicado de crise no País, às vésperas de uma Olimpíada".
Nesta quarta-feira, o vice-presidente havia recebido a bancada dos deputados do PMDB mineiro no Palácio do Jaburu, acompanhada do vice-governador de Minas Gerais, Antônio Andrade (PMDB).
Na saída do encontro, deputados que participaram da reunião com o vice informaram que Temer fez o convite para Newton Cardoso Jr. assumir a pasta da Defesa, responsável pelo comando de Exército, Marinha e Aeronáutica.
A interlocutores, Temer admitiu que a pasta da Defesa fez parte da conversa com os deputados mineiros e que eles manifestaram interesse em indicar Newton Cardoso Jr. para comandar a área.
O vice-presidente teria prometido avaliar a proposta, mas sem dar nenhuma confirmação oficial. Alguns participantes da reunião, contudo, deram o assunto como definido. Agora, o vice-presidente vai voltar a discutir com a bancada mineira outra área para contemplá-la em seu futuro governo.
Até dentro do PMDB, a informação da indicação do deputado mineiro havia sido mal recebida. Um líder do partido disse que a indicação seria uma tragédia, porque o deputado mineiro não teria nenhuma experiência para comandar as Forças Armadas.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Luís Bacchi Cirino 15/05/2016 22h01min
Essa Deputada Maria do Rosário, conhecida por defender causas sem valor para a maioria da população certamente terá muita dificuldade em se reeleger. Paulo Paim, que se autoproclama defensor dos aposentados também não conseguiu quase nada a favor dos mesmos. Esses dois, como o restante dos parlamentares petistas, lutam pelas suas respectivas sobrevivências políticas. Poucos deles, no entanto, sobreviverão.
JOSE PEREIRA DAMASCENO 15/05/2016 20h28min
Vocês deveriam ter era vergonha na cara de terem assaltado o País e agora e pelo almenos ajudar a criar um plano para recuperar o que vocês acabaram. Estão aí só preocupados com o plano de poder...
jone 15/05/2016 18h40min
está na hora de colocar o PT no devido lugar , e puxar a descarga
Luiz FelipeLobo 15/05/2016 17h28min
Qualquer idiota que votou na Dilma também votou no Temer e sabia ( ou deveria saber ) que na falta dele ele assumiria! Então ilegítima ( mentirosa ) é esta campanha, como aliás todas as campanhas da Dilma.
Tito Senna Lima 15/05/2016 17h03min
Como são canalhas!Eu, até admirava o Senador paim.Qualquer criança na idade da razão sabe que na urna sufragou presidentA e Vice os votos são para ambos.
Marino Freitas 15/05/2016 09h18min
Os bandos políticos rejeitados e derrotados nas URNAS eleitorais, não admitindo as derrotas se juntaram e formaram uma legião de íncubos e súcubos para alcançarem seus espúrios objetivos. Logo que Dilma Rousseff foi eleita, ouvi de dois expoentes opositores, a seguinte frase: perdemos por não ter feito ataques mais fortes, a partir de agora, vamos trabalhar para enfraquecer o governo ao máximo possível e tentar anular as eleições. E assim fizeram, travando todos os projetos necessários para o desenvolvimento do país. Mas, por não conseguir anular o pleito, essa revoada de corvos e abutres viu que só chegaria ao poder por meio de um conluio com alguns partidos (facções) aliados do governo. Arquitetaram, então, uma conspiração ignominiosa com os traidores e deram o GOLPE fatal contra a presidenta Dilma Rousseff. Golpe consumado, e com o povo ciente de que a política brasileira só funciona mediante meios espúrios... resta-nos torcer para que o presidente Temer afaste o temer do povo e faça o melhor pela nação. As urnas lhes aguardam!
Jonas jose lopes 15/05/2016 06h26min
Os petralhas estão desesperados,acabou a mamata
Abiasafe Xavier de Brito 14/05/2016 19h32min
A usurpação do poder, perpetrada pelos nostálgicos da ditadura militar, será resistida em todo o Mundo. Eu também não reconheço a legitimidade dos atuais ocupantes do governo federal.
demostenes 14/05/2016 11h52min
Se a facção ( PT ) conta com a nossa acomodação, que não vamos reagir diante de tentativas de nos coagir e impor terror, Estão redondamente enganados.
jose se souzaayres 13/05/2016 17h23min
Este casa é aquele pego na lava jato e precisa devolver R$ 2.000.000,00, ou há outro casal nas mãos do Supremo?
Gyllie 13/05/2016 13h44min
Como Assim? o atual presidente foi legitimamente eleito com 54.000.000 de votos! e a grande maioria de petistas o elegeram!!! ahahahah....n
Maurício Tadeu Pires Granzinolli 13/05/2016 10h52min
Depois de todo o tramite jurídico e político, chamar o atual presidente de ilegítimo? Por favor!
Tania 13/05/2016 08h15min
À vencedora, as batatas... para que serve tudo isso? A última preocupação dessa gente é o país. Vão tumultuar apenas para atrapalhar, sem nenhum efeito positivo nesse caos que estamos vivendo. E esquecem que o "ilegítimo" foi eleito junto com a incompetente...teve o mesmo número de votos... Isso tinha que ser pensando antes. Agora, é tarde.
vander rocha 13/05/2016 07h46min
O Paim é que tem que ter vergonha na cara, cadê o Senador que disse que abandonaria o PT e depois roeu a corda, sinistro!! O MI MI MI esta liberado chorem nenens!!n
Adriano Pereira 13/05/2016 07h32min
Esse é o "desgoverno do PT", que de forma escrachada mostra o quanto são despreparados para governar. NÃO TEM NÃO QUERER CHAMAR DE PRESIDENTE TEMER, SÃO OBRIGADOS E PRONTO. E QUERER AMEAÇAR COM "LUTINHAS" PODEM, SÓ NÃO ESQUEÇAM QUE A MAIOR PARTE DA POPULAÇÃO QUE OS REPROVA TAMBÉM SABE LUTAR.nNão aceitam perder msm!! ESTÃO AFUNDANDO CADA VEZ MAIS!
MB 12/05/2016 23h47min
GOLPISTAS - PMDBISTAS!!!
Roberto 12/05/2016 16h43min
ILEGITIMO OU NÃO VCS VÃO TER DE ENGOLIR QUADRILHEIROS!!!!!!
JG 12/05/2016 15h49min
Podem chorar, o choro é livre. Perderam democraticamente, e nós nem precisamos chamar uma empresa venezuelana para fraudar as urnas. Se vão fazer oposição, tratem de gritar bem alto, porque agora, vocês petistas, são a minoria.
hitman 12/05/2016 13h43min
saúdem seu vice.