Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 04 de maio de 2016. Atualizado às 10h51.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Crise Política

04/05/2016 - 10h51min.

Após fase de debate, comissão do impeachment vai analisar parecer de Anastasia

A sessão da Comissão Especial do Impeachment desta quarta-feira (4), será dedicada à leitura do parecer do relator do processo no Senado, Antonio Anastasia (PSDB-MG), que deve indicar voto favorável ao afastamento da presidente da República, Dilma Rousseff. A previsão é de que a leitura tenha início às 13h30min, como determinou o presidente da comissão, o senador Raimundo Lira (PMDB-PB).

A discussão do relatório de Anastasia será feita apenas amanhã, quando o advogado-geral da União, o ministro José Eduardo Cardozo, terá outra oportunidade de defender a presidente. A votação do parecer na comissão está marcada para sexta-feira. Já a votação no plenário do Senado, que pode afastar por 180 dias a presidente, está prevista para 11 de maio.

A fase de debates da Comissão Especial do Impeachment teve fim na noite de terça-feira, quando convidados especialistas indicados por senadores governistas foram ouvidos. A sessão durou 13 horas.

Entre os convidados, o ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Marcello Lavenère, criticou o processo de impeachment, fazendo comparações com o período em que o ex-presidente Fernando Collor foi afastado. Os professores Geraldo Luiz Mascarenhas e Ricardo Lodi Ribeiro também participaram da sabatina com os senadores, apresentando argumentos favoráveis à presidente.

Na segunda, a comissão também ouviu especialistas do direito, mas indicados pela acusação. O procurador Júlio Marcelo de Oliveirado, do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU), acusou a presidente de cometer crime fiscal. Também falaram o advogado Fábio Medina Osório e o professor José Maurício Conti.

Na semana anterior, o Senado recebeu os autores do pedido de impeachment, os juristas Miguel Reale Jr. e Janaína Paschoal, além da defesa da presidente, feita por Cardozo e pelos ministros da Fazenda, Nelson Barbosa, e da Agricultura, Kátia Abreu.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia