Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 23 de maio de 2016. Atualizado às 22h49.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

Artigo

Notícia da edição impressa de 24/05/2016. Alterada em 23/05 às 19h55min

Dia do Trabalhador Rural

Nelson Wild
No dia 25 de maio de 1963, aos 42 anos, o deputado federal Fernando Ferrari faleceu em trágico acidente aéreo. Ele era reconhecido como o parlamentar mais diligente e dedicado às questões sociais do trabalhador rural. O dia de seu falecimento acabou se transformando em uma data comemorativa para os trabalhadores rurais, através da Lei nº 4.338, de 1 de maio de 1964. Em novembro do ano passado, foi fundada a Federação dos Trabalhadores Assalariados Rurais no Rio Grande do Sul (Fetar), que luta por contrato formal de trabalho, salário digno e políticas públicas para a categoria. Ao longo desses anos, é preciso ressaltar os avanços obtidos, fruto da organização do próprio movimento sindical. Por conta das dificuldades dos problemas sentidos e vividos, conquistamos no País nunca tivemos isso antes uma legislação específica, que são as Normas Regulamentadoras 31 e 33 exclusivas para o trabalho rural, considerado uma indústria a céu aberto. Isto é uma conquista importante, a qual foi construída com a participação de governo, trabalhador e empresário. Inclusive, uma parte da história da NR é fruto de experiências bem-sucedidas no Rio Grande do Sul. As Convenções Coletivas de Trabalho melhoraram o salário dos trabalhadores rurais, bem como a redução da informalidade no campo, o ambiente digno que muitas empresas proporcionam, o cumprimento das NRs, com equipamentos de proteção individual, saúde e assistência à família são exemplos que merecem destaque. Mas inúmeros são os desafios, como a redução da informalidade; organizar em toda a área rural do Rio Grande do Sul as Convenções e Acordos e Coletivos de Trabalho, uma das demandas da Fetar, a partir da definição do planejamento de ações; a forte utilização de agrotóxicos e agentes químicos na área rural é preocupante, já que cada vez mais expõe o homem ao manuseio dos agrotóxicos. A Fetar enfrentará o problema para reduzir essa realidade. Ou, nos próximos anos, assistiremos um número maior de enfermidades e óbitos no campo.
Presidente da Federação dos Trabalhadores Assalariados Rurais/RS
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia