Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 16 de maio de 2016. Atualizado às 22h44.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Líbia

Notícia da edição impressa de 17/05/2016. Alterada em 16/05 às 22h41min

Contra terrorismo, EUA e potências admitem armar governo local

Estados Unidos, Alemanha, França, China e Rússia, entre outros países, anunciaram ontem estarem dispostos a suspender um embargo das Nações Unidas à venda de armas à Líbia, caso isso favoreça um governo de união nacional na luta contra o terrorismo.
Vinte e cinco delegações nacionais e regionais se reuniram em Viena (Áustria) para debater a situação. A sanção da ONU havia sido imposta no início da revolta popular contra o regime do ditador Muammar Kaddafi, em 2011, para evitar que armamentos caíssem nas mãos de extremistas islâmicos. No entanto, o país mergulhou no caos e na guerra civil desde a morte de
Kaddafi, naquele mesmo ano. O embargo hoje é repetidamente violado, e o caos abriu espaço para que o Estado Islâmico (EI) conquistasse território e rotas de escoamento de petróleo.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia