Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 05 de maio de 2016. Atualizado às 23h53.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Minas Gerais

Notícia da edição impressa de 06/05/2016. Alterada em 05/05 às 23h53min

MP entra com denúncia criminal contra a Samarco

Tragédia ambiental em Mariana completou seis meses nesta quinta-feira

Tragédia em Mariana completou seis meses nesta quinta-feira


ANTONIO CRUZ/ABR/JC
O Ministério Público (MP) de Minas Gerais anunciou, nesta quinta-feira, que ofereceu denúncia contra a Samarco e 14 funcionários da mineradora. Eles são acusados de se associarem para cometer crimes ambientais em benefício da empresa. O anúncio ocorreu no dia em que se completaram seis meses da tragédia em Mariana, quando o rompimento de uma barragem da Samarco devastou distritos e municípios mineiros, destruiu vegetação nativa e poluiu a bacia do rio Doce, além de causar 19 mortes. O caso é considerado o maior desastre ambiental do Brasil.
Segundo os promotores, após a tragédia, a Samarco deixou de atender às determinações e aos pedidos dos órgãos ambientais. Além disso, não teriam sido tomadas medidas adequadas em relação às consequências do rompimento da barragem. Nos dias 16 e 17 de janeiro, quando houve rompimento de um dique, a empresa teria deixado de executar procedimentos de emergência e de acionar os alertas necessários. Nesses dias, de acordo com a denúncia, não foi feito nenhum comunicado aos órgãos competentes, e imagens das câmeras de segurança da empresa foram escondidas.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia