Bia (d), do Bolo da Bia no Pote, conta com a ajuda da amiga Juliana Bia Hess (d), proprietária do Bolo da Bia no pote, chamou a amiga Juliana Kühne para lhe ajudar na produção, devido a grande demanda de bolinhos Foto: MARCO QUINTANA/JC

Jornalista cria opção para quem quiser montar seu próprio bolo em eventos

A montagem na hora oferece nove opções de combinações, entre bolo de cenoura ou chocolate, com cobertura de branquinho ou brigadeiro

Quatro ingredientes básicos que podem formar até nove combinações de sabores, basta escolher. O bolo pode ser de cenoura, chocolate ou ambos, considerando que em cada pote são usadas duas camadas de massa e duas de recheio, variando entre brigadeiro e branquinho. O Monte seu Bolinho é um serviço oferecido, principalmente, em eventos empresariais e particulares, em que é possível escolher os ingredientes e montar um bolo no pote na hora.
O valor do serviço varia de acordo com o número previsto de unidades, a quantidade de servidores necessários e o tempo estimado de trabalho. Um bolinho custa R$ 3,50 e a hora do montador é de R$ 80,00, sendo estimada uma pessoa a cada 40 convidados.
A novidade foi uma das formas que a proprietária do Bolo da Bia no Pote, Bia Hess, 30 anos, encontrou para movimentar os negócios na baixa temporada de janeiro e fevereiro. "Como era verão, as pessoas não querem comer doces, só emagrecer. Então, criamos a linha fit, as tortinhas, nos focamos em eventos e lançamos a montagem na hora", conta.
Desde a criação do negócio, em outubro de 2015, as vendas giravam em média de 300 unidades mensais, com encomendas para uso doméstico e eventuais, como festas de casamento, aniversário, formatura, etc. Porém, no período específico de crise, caíram. A partir de março, o fluxo de pedidos começou a aumentar novamente, sendo que em abril a empresa vendeu 500 potinhos.
Ao todo, são três opções de tortinhas, com base em bolacha Maria e seis de bolo, com massa sabor cenoura ou chocolate.
As tortinhas de bolacha também foram criadas no momento de crise, a fim de estimular o fluxo de vendas com um produto novo
Bia conta que está aguardando fechar um ano de iniciativa para fazer o balanço sobre o que deu certo e o que não deu, e, assim, traçar um rumo sólido para os próximos passos. Mas, refletindo, percebe que a empresa já teve um crescimento significativo e possui potencial. "Eu vi que poderia dar certo no primeiro dia que comecei a oferecer para os vizinhos do condomínio, quando uma cliente fez uma encomenda de 40 unidades. Depois disso, só cresceu, tanto que chamei minha amiga para me ajudar na produção."
Apesar de contar com Juliana Kühne, 29 anos, constantemente, ela contrata mais pessoas em eventos, quando há grande demanda. Bia, que é formada em jornalismo e começou a empreender devido à demissão no antigo emprego, analisa previamente os resultados da decisão e revela que não deseja voltar a ser funcionária.
Com sete meses de andamento, o negócio já cobriu o investimento inicial de R$ 2 mil, faturando cerca de R$ 10 mil, e, considerando o valor das unidades, estima ter vendido, cerca de 2.800 bolinhos. Além do fluxo positivo, as vantagens predominam na qualidade de vida, ainda que hoje possua mais envolvimento e preocupação. "Geralmente, quando tem um evento eu não durmo porque fico ansiosa querendo fazer tudo logo para dar tudo certo. Mas eu não troco isso por um emprego que eu chego às 8h e saio às 18h", explica. A liberdade e a satisfação de trabalhar em um projeto próprio são compensadoras para ela.
Ao todo, são três opções de tortinhas, com base em bolacha Maria e seis de bolo, com massa sabor cenoura ou chocolate
Compartilhe
Artigos relacionados
Comentários ( )
Deixe um comentário

Publicidade
Newsletter

HISTÓRIAS EMPREENDEDORAS PARA
VOCÊ SE INSPIRAR.

Receba no seu e-mail as notícias do GE!
Faça o seu cadastro.





Mostre seu Negócio