Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 12 de maio de 2016. Atualizado às 01h54.

Jornal do Comércio

Vídeos JC

COMENTAR

TECNOLOGIA


Big Data mostra a reação das redes sociais à sessão sobre impeachment

Publicado em 11/05/2016 - 23h21min.

No Laboratório de Big Data Mission Control, da Cappra Data Science, que fica na Área 51 em Porto Alegre, seis monitores instalados em uma sala lembrando um home theater permitem observar a reação das redes sociais ao andamento da sessão do Senado que avalia a admissibilidade do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT). É possível flagrar as pesquisas que estão em andamento, conversas individuais e em grupos e os influenciadores. Os temas e termos mais citados vão pipocando nas telas, em um ritmo frenético. Fotografias dos habitantes dessas redes despontam, ganhando animação e vida. Dilma, Temer, Teori Zawascki, senadores, STF, teoria da conspiração emergem no monitoramento. O cientista-chefe da Cappra Data Science, Ricardo Cappra, cita que as pessoas relacionam o impeachment a Dilma e não a Michel Temer e estão tudo ao vivo. "A gente consegue chegar a alguma conclusão olhando para os dados, obviamente não necessariamente às verdades", pondera Cappra.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia