Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 05 de maio de 2016. Atualizado às 23h54.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

Campeonato Gaúcho

Notícia da edição impressa de 06/05/2016. Alterada em 05/05 às 22h11min

Depois de 40 anos, Inter busca repetir façanha do hexacampeonato

Argel foi campeão como jogador em 1992 e 1994

Argel foi campeão como jogador em 1992 e 1994


RICARDO DUARTE/INTER/DIVULGAÇÃO/JC
Mais do que assegurar a conquista do Campeonato Gaúcho de 2016, o atual elenco do Inter poderá se juntar a outros grandes quadros que levantaram seis taças em sequência ao longo dos mais de 107 anos de história do clube. Caso o time comandado por Argel Fucks seja campeão neste domingo, às 16h, diante do Juventude, no Beira-Rio, será o terceiro elenco a ser hexacampeão. Além disso, o treinador, que foi ex-zagueiro colorado, repetirá os títulos obtidos em 1992 e 1994, como jogador.
A primeira vez que o Inter ganhou seis títulos consecutivos foi entre 1940 e 1945, com o mais que celebrado Rolo Compressor.
O segundo grande esquadrão veio na década de 1970, com nomes como Figueroa, Falcão, Carpegiani e Valdomiro, liderados por Rubens Minelli. Nesta década, o feito foi ainda maior. O Colorado não só foi hexa, como se sagrou como octacampeão regional - 1969, 1970, 1971, 1972, 1973, 1974 (hexa), 1975 e 1976.
Em busca do terceiro hexa, o time de Argel Fucks entra com uma boa vantagem por ter vencido o primeiro jogo, fora de casa, por 1 a 0. Para o duelo decisivo neste domingo, o treinador mantém o discurso de humildade e pés no chão, além de fazer mistério em relação à escalação. Nesta quinta-feira, ele comandou um trabalho com portões fechados no palco da decisão.
Como já é tradicional antes de partidas importantes, a atividade não teve a presença da imprensa, por isso, Argel deverá manter a escalação em sigilo até momentos antes de a bola rolar. O grande mistério é relativo ao substituto de Vitinho, que foi expulso na primeira partida da final, em Caxias do Sul.
A briga pela vaga está entre Marquinhos e Aylon. Os dois treinaram juntos na atividade da quarta-feira. Há, ainda, a possibilidade de ambos serem titulares, uma vez que Andrigo, autor do gol no domingo, deixou o gramado sentindo dores musculares e não participou de dois treinamentos, mas não deve se confirmar, pois provavelmente o camisa 20 estará em campo.
Quem está definitivamente de fora da decisão contra o Juventude é o lateral-direito William, suspenso pela cotovelada no atacante Bolaños, do Grêmio. Em julgamento que foi encerrado no início da madrugada desta quinta-feira, o Tribunal de Justiça Desportiva do Rio Grande do Sul (TJD-RS) manteve a punição de seis jogos, que se encerra justamente no enfrentamento contra o time caxiense.
Independentemente de quem for escalado, o elenco do Inter aposta em um confronto equilibrado, apesar da vantagem obtida no jogo de ida. "Temos que estar concentrados. O Juventude não está na final por acaso. Será um jogo difícil", analisou o meia Anderson. O provável time colorado deve ter Alisson; Paulo Cezar Magalhães, Paulão, Ernando e Artur; Fernando Bob, Fabinho, Anderson e Andrigo (Marquinhos); Aylon (Marquinhos) e Eduardo Sasha. Os ingressos para a final já estão esgotados, restando apenas lugares na área VIP.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia