Porto Alegre, quinta-feira, 21 de maio de 2020.
Dia Mundial do Desenvolvimento Cultural.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 21 de maio de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

CONJUNTURA

23/05/2016 - 15h47min. Alterada em 21/05 às 11h44min

Incertezas marcam cenário econômico

Comparação de trimestre contra trimestre mostra estabilização na queda no mercado interno

Comparação de trimestre contra trimestre mostra estabilização na queda no mercado interno


GERDAU/DIVULGAÇÃO/JC
A crise política e econômica não deu trégua e mais uma vez contribuiu para o mau desempenho da indústria e dos serviços em todo País. No Rio Grande do Sul, o alento vem do campo, com ótima safra de soja e aumento de 20 mil postos de trabalho com carteira assinada no primeiro trimestre. Conforme a Confederação Nacional da Indústria (CNI), a indústria nacional reduziu sua participação no Produto Interno Bruto (PIB) em quase todos os estados, inclusive no Rio Grande do Sul. O estudo revela ainda que de 2010 a 2013 - último dado disponível para análise - a parte da indústria gaúcha no PIB do Rio Grande do Sul, que é de 24,3%, registrou queda de 3,6 pontos percentuais.
A crise política e econômica não deu trégua e mais uma vez contribuiu para o mau desempenho da indústria e dos serviços em todo País. No Rio Grande do Sul, o alento vem do campo, com ótima safra de soja e aumento de 20 mil postos de trabalho com carteira assinada no primeiro trimestre. Conforme a Confederação Nacional da Indústria (CNI), a indústria nacional reduziu sua participação no Produto Interno Bruto (PIB) em quase todos os estados, inclusive no Rio Grande do Sul. O estudo revela ainda que de 2010 a 2013 - último dado disponível para análise - a parte da indústria gaúcha no PIB do Rio Grande do Sul, que é de 24,3%, registrou queda de 3,6 pontos percentuais.
A redução de produtividade das cadeias automotiva, máquinas e equipamentos e construção civil atingiu a demanda da indústria de borracha, que registrou retração pelo segundo ano consecutivo. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a produção e venda de pneumáticos e artefatos encolheu 10% em 2015 e as projeções para 2016 não são animadoras. Além da produção, as exportações do segmento também registraram queda no ano passado.
No setor de serviços, outro que sofreu com a recessão, a euforia provocada pela Copa do Mundo no Brasil, quando os investimentos no segmento foram bastante agressivos, cedeu lugar a uma nova realidade na qual inovação e criatividade são essenciais para driblar a crise, atrair e fidelizar o cliente. Pesquisa elaborada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) mostra que 85,9% dos brasileiros foram obrigados a ajustar o orçamento doméstico para se defender dos efeitos da crise.
Os supermercados gaúchos também sentiram os efeitos. No entanto, segundo a Associação Gaúcha de Supermercados (Agas), o setor já vinha se preparando para essa retração.
"Todos os estados estão caindo, não é um movimento específico do Rio Grande do Sul", diz a economista da Fundação de Economia e Estatística (FEE), Cecília Hoff. Apesar do cenário difícil, a comparação de trimestre contra trimestre mostra uma estabilização na queda. "Está parando de cair, assim como a confiança do brasileiro", sinaliza Cecília, lembrando que a indústria parou com o ciclo de redução de estoques. Para ela, a recuperação só deve vir com uma política expansionista do governo federal, que inclui baixar os juros e liberar o crédito. "O câmbio parece ter se estabilizado em menos de R$ 4,00, o cenário internacional está mais favorável e isso deve ajudar a reduzir a inflação", explica Cecília.

Quem está se dando bem

Entre os destaques positivos da indústria gaúcha está a celulose, que em 2015 registrou crescimento de 37,9% e, somente em janeiro deste ano, aumentou 86%, resultado da ampliação da capacidade da Celulose Riograndense de Guaíba. Os resultados refletem os esforços do segmento em focar no mercado externo, estratégia para potencializar as exportações e manter o desempenho. Outro setor que vai bem é o coureiro-calçadista devido ao câmbio, que facilita as exportações, e à abertura do mercado da Argentina. Sede de mais da metade das indústrias de couro do País, a indústria gaúcha é reconhecida pela capacidade de atender a todos os segmentos da cadeia. Apesar de liderar as exportações, o setor não passou ileso à crise e registrou queda de 5,4% no acumulado de 2015 do volume da indústria de couro em geral.

A indústria gaúcha em números

  • PIB industrial: R$ 69,5 bilhões
  • Participação no PIB industrial no nacional: 6,1%
  • Número de trabalhadores: 901.813
  • Participação da indústria no PIB do Estado: 24,3%
  • Principais setores:
  • Construção (21,7%), alimentos (11,5%), veículos automotores (9,5%)
  • Exportação do setor: US$ 8,006 bilhões em 2015
  • Salário médio: R$ 2.024,70 (10,5% abaixo da média nacional)

Composição Setorial do RS

  • Construção: 21,7%
  • Alimentos: 11,5%
  • Veículos automotores: 9,5%
  • Máquinas e equipamentos: 8,2%
  • Químicos: 5,8%
  • Serviços industriais de utilidade pública: 5,4%
  • Couros e calçados: 4,9%
  • Produtos de metal: 4,9%
  • Fumo: 3,4%
  • Borracha e material plástico: 3,2%
  • Móveis: 3%
  • Minerais não metálicos: 2%
  • Metalurgia: 1,8%
  • Bebidas: 1,8%
  • Derivados de petróleo e biocombustíveis: 1,8%
  • Outros equipamentos de transporte: 1,5%
  • Máquinas e materiais elétricos: 1,5%
  • Produtos diversos: 1,3%
  • Celulose e papel: 1,2%
  • Manutenção e reparação: 1,1%
  • Madeira: 0,9%
  • Informática, eletrônicos e ópticos: 0,9%
  • Vestuário: 0,9%
  • Têxteis: 0,6%
  • Impressão e reprodução: 0,5%
  • Extração de minerais não-metálicos: 0,3%
  • Farmacêuticos: 0,2%
  • Extração de carvão mineral: 0,2%
Comentários