Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 27 de maio de 2016. Atualizado às 08h51.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

27/05/2016 - 08h51min.

Petróleo opera em baixa com cautela antes de dados da Baker Hughes e dólar alto

Após atingirem o patamar de US$ 50 o barril durante a sessão de ontem, os preços do petróleo operam em queda nesta sexta-feira à frente dos dados sobre os números de poços e plataformas da Baker Hughes e a alta do dólar.

Às 8h35min (de Brasília), o petróleo Brent para julho recuava 1,39%, a US$ 48,90 por barril, na ICE, enquanto o petróleo WTI para julho caía 0,99%, a US$ 48,99 por barril, na Nymex.

Na quinta-feira, os preços ultrapassaram a barreira dos US$ 50 o barril pela primeira vez desde novembro. Os analistas agora questionam se a queda desta sexta-feira é apenas uma baixa temporária ou é indicativo de um mercado que ainda enfrenta um problema com excesso de oferta.

Entre os motivos para a retração de hoje estão os números de poços e plataformas que a Baker Hughes divulgará hoje, às 14h (de Brasília). Os investidores temem que se o número aumentar pode sinalizar uma nova tendência, com os produtores dos EUA retornando ao mercado agora que os preços melhoraram.

Além disso, o dólar alto - na espera pelo discurso da presidente do Federal Reserve, Janet Yellen - pesa sobre as negociações, uma vez que a commodity é cotada na moeda norte-americana.

"Os investidores estão claramente muito cautelosos com estes níveis de preços", disse David Hufton da PVM corretora, acrescentando que a produção canadense pode voltar depois de interrupções devido a incêndios florestais. "Depois, há também a força do dólar a considerar diante da possibilidade de do Federal Reserve elevar os juros em junho".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia