Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 27 de maio de 2016. Atualizado às 08h17.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

27/05/2016 - 08h17min.

Bolsas asiáticas fecham majoritariamente em alta impulsionadas por bancos

As bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em alta nesta sexta-feira (27), impulsionadas por ações de bancos que subiram no aguardo pelo discurso da presidente do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA), Janet Yellen. No entanto, as bolsas chinesas terminaram levemente no vermelho, com os investidores optando pela cautela enquanto aguardam a fala da dirigente do Fed.

O mercado espera com expectativa os comentários de Yellen, que deverá ainda responder a perguntas. Yellen, que receberá um prêmio na Universidade de Harvard, está marcada para falar às 14h15min (de Brasília). Os investidores aguardam por pistas de quando o Fed elevará os juros. A percepção de que este movimento está próximo ficou mais clara após os últimos dados positivos de inflação e de vendas no varejo nos EUA.

Além disso, vários dirigentes das distritais do Fed afirmaram nessas duas últimas semanas sobre a probabilidade de um aumento de juros na reunião de política monetária de junho ou julho. No entanto, apesar dos comentários, analistas do banco OCBC de Cingapura disseram em nota que Yellen pode não dar nenhuma pista sobre as taxas de juros que o mercado está antecipando.

Com uma alta de juros nos EUA, os bancos tendem a se beneficiar, pois eles elevam sua margem líquida de juros, ou seja, a diferença entre o que os credores cobram sobre os empréstimos e o que pagam por depósitos.

Entre os mercados mais beneficiados, destaque para os pequenos da Ásia. O índice sul-coreano Kospi teve ganho de 0,62% em Seul, a 1.969,17 pontos, do filipino PSEi, que subiu 0,48% em Manila, a 7.411,68 pontos, e do Taiex, que saltou 0,83% em Taiwan, aos 8.463,61 pontos.

Já o índice Hang Seng, da Bolsa de Hong Kong, reverteu as perdas e também conseguiu fechar em alta, com avanço de 0,88%, a 20.576,77 pontos. O bom desempenho veio após especulações de uma possível ligação nas negociações de ações entre Hong Kong e Shenzhen. Com isso, as ações de corretoras subiram com a expectativa que as empresas serão beneficiadas com esta ligação.

Por outro lado, o Xangai Composto, principal índice acionário da China, caiu 0,03%, a 2.821,53 pontos, enquanto o menos abrangente Shenzhen Composto recuou 0,10%, a 1.807,03 pontos. Por lá, os investidores preferiram operar com cautela antes do discurso de Yellen.

Em Tóquio, o Nikkei, o índice que reúne as empresas mais negociadas na capital do Japão, subiu 0,40%, a 16.834,84 pontos. Alguns investidores devolveram suas posições pessimistas obtidas ao long da semana e aproveitaram para fazer ajustes antes do discurso da presidente do Fed. Além disso, expectativas de um adiamento do imposto sobre as vendas planejadas e perspectiva de mais estímulos contribuíram para os ganhos.

Já em Sydney, na Oceania, o australiano S&P/ASX 200 teve alta de 0,33%, a 5.405,91 pontos, impulsionado também pelas ações de financeiras, que se valorizaram ainda mais depois que a agência de classificação de risco Fitch Ratings reafirmou os ratings de grandes bancos do país e disse que os credores podem gerenciar crescentes riscos ligados ao aumento da dívida das famílias e dos preços dos imóveis. Entre os grandes bancos, o ANZ Banking Group teve a maior alta, subindo 1,2%, seguido por Westpac Banking, alta de 0,8%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia