Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 27 de maio de 2016. Atualizado às 08h08.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

27/05/2016 - 08h08min.

Bolsa de Tóquio fecha em leve alta em dia de ajustes antes do discurso de Yellen

A Bolsa do Japão fechou em leve alta nesta sexta-feira (27), com alguns investidores devolvendo suas posições pessimistas antes do discurso da presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), Janet Yellen, na tarde de hoje.

O Nikkei, índice que reúne as empresas mais negociadas na capital do Japão, subiu 0,40%, a 16.834,84 pontos, encerrando a semana com valorização de 0,60%.

Após a perspectiva de alta de juros nos EUA no curto prazo penalizar as bolsas nas últimas sessões, os investidores aproveitaram hoje para realizar um movimento de ajuste antes do aguardado discurso de Yellen, marcado para acontecer às 14h15 (de Brasília). As apostas que um aumento de juros poderá vir em junho ou julho subiram nas últimas sessões por causa de indicadores de inflação e vendas no varejo melhores do que o esperado divulgados recentemente.

Uma série de importantes indicadores econômicos norte-americanos também estão programados para serem divulgados hoje e na próxima semana, o que levou os investidores a comprarem de forma mais agressiva. Às 9h30 desta sexta-feira será conhecida a segunda estimativa do Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA do primeiro trimestre e o sentimento do consumidor.

"Não há nada de novo acontecendo agora. Então, os investidores optaram por comprar de volta algumas ações antes de grandes eventos", disse Yoshinori Ogawa, estrategista da Okasan Securities.

Os investidores também acompanharam o desenrolar da reunião de dois dias dos líderes dos sete países mais industrializados do mundo (G7), que começou ontem no parque natural de Ise-Shima, no Japão. Em um comunicado, os líderes afirmaram que o crescimento global é uma "prioridade urgente" e é necessário que os países implementem estratégias orçamentais de forma flexível.

Entre as medidas para impulsionar o crescimento, o governo japonês pretende atrasar o aumento dos impostos sobre as vendas e compilar os orçamentos adicionais para ajudar a economia. No entanto, Hideyuki Ishiguro, estrategista sênior da Daiwa Securities, destaca que este atraso pode ter um efeito limitado, uma vez que os consumidores não devem aumentar os gastos só porque os impostos foram adiados.

Entre os destaques de alta, as ações da fabricante de autopeças Aisin Seiki subiram 6,5% depois que a empresa divulgou projeções para o ano fiscal iniciado em abril, incluindo as perdas menores do que a esperada relacionadas aos recentes terremotos no sul do Japão.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia