Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 24 de maio de 2016. Atualizado às 20h06.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

24/05/2016 - 20h06min. Alterada em 24/05 às 20h06min

Petróleo fecha em alta e registra nova máxima em 2016

Os preços do petróleo fecharam a sessão desta terça-feira (24), em alta e atingiram o maior nível desde o começo do ano. A expectativa de que as interrupções pontuais na produção da commodity de alguns países continue ajudou a reduzir a saturação do mercado.
Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o WTI para julho subiu 1,12% (+ US$ 0,54), a US$ 48,62. Na Intercontinental Exchange (ICE), o Brent para julho valorizou 0,54% (+US$ 0,26), para US$ 48,61 o barril.
Desde o início de fevereiro, quando o contrato mais líquido negociado em Nova York chegou a custar US$ 29,69, o petróleo já subiu mais de 60%, indicando que o excesso mundial que vinha derrubando os preços desde 2014 pode estar recuando. A produção começou a cair em algumas regiões devido a cortes de gastos e interrupções inesperadas.
"Na Nigéria, na Venezuela, na Líbia e numa série de outros países, a ameaça de interrupções na produção parece estar aumentando, e não diminuindo", disseram analistas do Citigroup Inc em nota. "Os preços parecem estar marchando para a faixa dos US$ 60."
Segundo a consultoria Protection Group International, é provável que os ataques aos oleodutos da Nigéria continuem, o que poderia interromper a produção durante os próximos 12 meses. "A segurança pode se deteriorar mais ainda se uma ofensiva do governo contra os militantes provocar uma reação mais agressiva", diz a consultoria em nota.
No entanto, analistas pontuam que a quebra na produção de petróleo em algumas regiões pode ser temporária, o que poderia fazer os preços voltarem a cair. A produção no Canadá foi interrompida devido ao incêndio que atinge a província de Alberta, mas espera-se que seja retomada em breve. A Líbia também pode retomar as exportações, com apoio da Organização das Nações Unidas.
Alguns analistas também esperam aumento da produção no Oriente Médio. A imprensa iraquiana noticiou hoje que o país atingiu um novo recorde na exploração de petróleo.
Os operadores estão de olho no índice semanal dos estoques de petróleo nos EUA, que sai amanhã. A expectativa é que o número de barris tenha caído 2,5 milhões em relação à semana passada.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia