Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 24 de maio de 2016. Atualizado às 08h27.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

24/05/2016 - 08h27min.

Cobre sobe com cobertura de posições vendidas, mas dólar forte contém movimento

O cobre opera em alta na manhã desta terça-feira (24), com cobertura de posições vendidas dos investidores. A força do dólar, porém, contém esse movimento.

Na London Metal Exchange (LME), o cobre para três meses subia 1,1%, a US$ 4.611 a tonelada, às 7h30min (de Brasília), após bater mais cedo a máxima em dois dias, a US$ 4.615 a tonelada. Às 7h44min, o cobre para julho avançava 0,71%, a US$ 2,0695 a libra-peso, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).

"Ao longo da noite, o cobre encontrou apoio na contínua cobertura de posições vendidas no Extremo Oriente", disse Dee Perera, analista de metais básicos da corretora Marex Spectron.

Os ganhos, porém, eram contidos pelo dólar forte, o que torna os metais denominados nessa moeda mais caro para os detentores de outras divisas.

Mais adiante, a cautela dos mercados antes do plebiscito no Reino Unido em junho sobre se o país fica ou deixa a União Europeia pode afetar os preços do cobre. O diretor de pesquisa da Fastmarkets, William Adams, afirmou que, com a votação sobre o tema em apenas um mês, um possível contágio ante o risco da saída do Reino Unido "pode muito bem manter os mercados nervosos".

Entre outros metais básicos negociados na LME, o alumínio subia 0,5%, a US$ 1.561,50 a tonelada, o zinco operava em baixa de 0,8%, a US$ 1.825,50 a tonelada, o níquel avançava 0,4%, a US$ 8.365 a tonelada, o chumbo recuava 0,5%, a US$ 1.649 a tonelada, e o estanho tinha queda de 1,7%, a US$ 15.800 a tonelada.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia