Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 19 de maio de 2016. Atualizado às 23h30.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

indústria

Notícia da edição impressa de 20/05/2016. Alterada em 19/05 às 20h20min

Confiança do industrial gaúcho é a maior em 16 meses

Influenciado pelo indicador que mede as expectativas para os próximos seis meses, que cresceu de 43 para 46,4 pontos, o maior patamar desde fevereiro de 2015, o Índice de Confiança do Empresário Industrial (Icei-RS) aumentou 2,6 pontos na passagem entre abril e maio, alcançando 42,1. É o maior valor em 16 meses, embora ainda continue abaixo de 50, o que indica pessimismo. "Confiança é fundamental na indústria para a retomada do investimento e do crescimento. É cedo, porém, para concluir que o comportamento do Icei-RS de maio se trata de uma tendência. Será se os empresários perceberem que o novo governo está disposto a realizar as reformas e os ajustes econômicos necessários para o equilíbrio das finanças públicas e melhora da competitividade", disse o presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs), Heitor José Müller, ao analisar os resultados do levantamento, divulgados nesta quinta-feira.
Mesmo que continuem negativas, as avaliações dos industriais gaúchos sobre as condições atuais, bem como as expectativas para o futuro da economia brasileira, apresentaram significativa evolução em maio. O índice que pesquisa as condições atuais cresceu de 32,8 pontos em abril para 33,2 em maio. Da mesma forma, o componente que avalia a economia brasileira subiu de 21,3 em abril para 26,3 pontos em maio, o maior acréscimo (cinco pontos) desde outubro de 2012 e o valor mais alto desde janeiro de 2015. As condições das empresas, todavia, se deterioram cada vez mais. O índice caiu de 38,7 para 36,8 pontos no período.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia