Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 19 de maio de 2016. Atualizado às 15h19.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

19/05/2016 - 15h19min. Alterada em 19/05 às 15h19min

Bolsas da Europa recuam, pressionadas por Fed e queda de avião da EgyptAir

As bolsas da Europa fecharam em queda nesta quinta-feira (19) influenciadas por um tom mais duro do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), que sugeriu que uma alta dos juros em junho ainda está sobre a mesa caso a economia continue a mostrar sinais de recuperação.
Os índices foram afetados também pela queda do avião da EgyptAir no Mediterrâneo, que prejudicou o ânimo dos investidores. No final do pregão, o índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em queda de 1,09%, aos 333,91 pontos.
Os índices acionários foram prejudicados pela divulgação da ata de abril do Fed, que ligou o alerta, entre investidores, sobre a possibilidade de a alta dos juros acontecer antes do que a maioria precificava. Os futuros dos fed funds, utilizados por investidores para apostar sobre o futuro da política monetária nos EUA, mostravam uma possibilidade de 30% de alta nos juros no final do dia de ontem, um salto ante os 19% do dia anterior.
O tom do documento foi corroborado pelo discurso do dirigente da regional de Nova York, William Dudley. Em discurso hoje, ele afirmou que uma alta de juros em junho ou julho é possível caso novos dados confirmem o cenário positivo da autoridade monetária.
Os comentários impulsionaram a cotação do dólar, o que prejudicou as commodities e as ações do setor de mineração. As ações da Anglo American recuaram 4,42%, enquanto a Glencore cedeu 3,65% e e ArcelorMittal caiu 5,80%.
As ações de empresas aéreas e operadoras de turismo também sofreram com a notícia de que um voo da EgyptAir, que voava de Paris a Cairo, desapareceu no Mar Mediterrâneo. As ações da Thomas Cook desabaram 19,5% na bolsa de Londres, enquanto a Consolidated Airlines caiu 2,28% e a EasyJet cedeu 1,75%. Pressionado por esses papéis, o índice FTSE-100 fechou em queda de 1,82%, aos 6.053,35 pontos.
Na Alemanha, o DAX caiu 1,48%, aos 9.795,89 pontos. O destaque negativo fica com a Bayer, que tombou 8,20% e arrastou o índice inteiro para baixo após relatos de que um acordo com a Monsanto pode ter alto custo e resultar na diluição da participação dos acionistas. Em Paris, o índice CAC-40 caiu 0,85%, aos 4.282,54 pontos. Apesar da queda, os papéis da Technip subiram 6,31% após a empresa anunciar a fusão com a FMC Tech.
Em Milão, o índice FTSE-Mib caiu 0,95%, aos 17.545,56 pontos. Em Madri, o Ibex-35 recuou 1,14%, para 8.674,70 pontos. Em Lisboa, o PSI-20 cedeu 0,60%, aos 4.824,93 pontos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia