Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 18 de maio de 2016. Atualizado às 19h41.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

18/05/2016 - 19h41min. Alterada em 18/05 às 19h41min

Petróleo fecha em queda com valorização do dólar

O preço do petróleo caiu na sessão desta quarta-feira, 18, zerando os ganhos de mais cedo. A queda foi causada por um fortalecimento do dólar ante outras moedas, o que deixa a commodity mais cara para os compradores estrangeiros e esfria a demanda pelo barril.
Na Intercontinental Exchange (ICE), o Brent para julho caiu 0,71% (-US$ 0,35), para US$ 48,93 o barril. Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o WTI para junho fechou em queda de 0,25% (- US$ 0,12), a US$ 48,19.
Mais cedo na sessão, os preços chegaram a ficar próximos do valor mais alto para o barril em 2016. Com a valorização do dólar, entretanto, ocorrida logo após a divulgação da ata do Fed, os contratos reverteram a tendência.
Os futuros de petróleo subiram nas últimas sessões, refletindo interrupções da produção na África e no Canadá que prejudicaram a oferta.
Os dados de estoques dos EUA, entretanto, reduziram o fôlego dos negócios. As reservas subiram 1,3 milhão na última semana, segundo dados do Departamento de Energia dos EUA (DoE) divulgados hoje. As de gasolina e destilados, porém, caíram e a demanda por esse tipo de produto aumentou em 20 milhões de barris por dia.
"Isso vai sustentar os preços mais altos no curto prazo. Acredito que o barril a US$ 50 está próximo", disse Peter Cardillo, economista-chefe do First Standard Financial.
As interrupções de produção no mundo todo continuam guiando os preços do petróleo. Relatos divulgados ontem de que o incêndio no Canadá forçou novas evacuações foram um bom sinal para operadores, uma vez que marca o adiamento do retorno da produção de pelo menos um milhão de barris por dia.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia