Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 16 de maio de 2016. Atualizado às 15h40.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Comércio Exterior

16/05/2016 - 15h40min. Alterada em 16/05 às 15h40min

Balança tem superávit de US$ 1,747 bilhão na 2ª semana de maio

A balança comercial brasileira terminou a segunda semana de maio (9 a 15) superavitária em US$ 1,747 bilhão, resultado de exportações no valor de US$ 4,370 bilhões e importações de US$ 2,622 bilhões. De acordo com dados divulgados nesta segunda-feira (16) pelo Ministério da Indústria, Comércio e Serviços, no acumulado do ano o superávit comercial registrado já é de US$ 16,224 bilhões.
Segundo dados da pasta, a média das exportações da 2ª semana do mês passado foi de US$ 873,9 milhões, 9,8% acima da média de US$ 795,8 milhões da 1ª semana, devido ao aumento de 23,1% nas exportações de manufaturados (de US$ 261,4 milhões para US$ 321,7 milhões, em razão, principalmente, de aviões, automóveis de passageiros, tubos flexíveis de ferro/aço, óxidos e hidróxidos de alumínio, veículos de carga, máquinas para terraplenagem, autopeças) e de 1,1% produtos básicos (de US$ 393,8 milhões para US$ 436,4 milhões, por conta de soja em grão, petróleo em bruto, minério de ferro, carne de frango, café em grão, algodão em bruto), enquanto diminuíram em 19% as vendas de semimanufaturados (de US$ 124,5 milhões para US$ 100,9 milhões, em razão de produtos semimanufaturados de ferro/aço, ouro em forma semimanufaturada, ferro-ligas, couros e peles, óleo de soja).
Nas importações, verificou-se uma queda de 4,5%, sobre igual período comparativo que, segundo o ministério, é explicada principalmente, pela diminuição nos gastos com aparelhos eletroeletrônicos, químicos orgânicos/inorgânicos, adubos e fertilizantes, plásticos e obras e farmacêuticos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia