Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 16 de maio de 2016. Atualizado às 08h24.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

16/05/2016 - 08h24min.

Bolsas europeias caem com dados ruins na China e baixo volume de negociação

Uma série de indicadores da China abaixo do esperado divulgados durante o fim de semana disseminou cautela nas principais bolsas europeias nesta segunda-feira (16) em relação à saúde econômica do gigante asiático e os impactos na economia global, com os investidores preocupados de que as medidas de estímulos agressivas possam estar fracas. Além disso, um feriado público em diversos países europeus reduz o volume de negociações.

No sábado, foi divulgado que a produção industrial da China subiu 6,0% em abril ante o mesmo mês do ano passado, desacelerando na comparação com o crescimento de 6,8% observado em março, de acordo com dados divulgados pelo Escritório Nacional de Estatísticas. O dado ficou abaixo da previsão média de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, que esperavam alta de 6,6%.

Já as vendas no varejo subiram 10,1% em abril ante o mesmo mês do ano passado, desacelerando de um crescimento de 10,5% em março. Os economistas esperavam uma alta de 10,6% em abril.

Os investimentos em ativos fixos em áreas urbanas da China, por sua vez, subiram 10,5% no ano, no período de janeiro a abril, em comparação com o aumento de 10,7% nos primeiros três meses do ano. A alta também ficou abaixo da prevista por analistas, de crescimento de 11,0%.

"Os dados recentes irão aumentar a preocupação de que o crescimento econômico na China continua a diminuir, mesmo com uma política de flexibilização mais agressiva", disse Lee Hardman, analista do Bank of Tokyo-Mitsubishi.

A preocupação prevalece ancorada uma vez que o Banco do Povo da China (PBoC, na sigla em inglês) afirmou no sábado que sua política monetária permanece inalterada, mesmo após a divulgação de dados que indicaram queda acentuada de novos empréstimos em abril.

Mesmo com os dados fracos chineses, as empresas mineradoras arrancam ganhos nesta manhã. Às 7h48 (de Brasília), as ações da Antofagasta subiam 2,82% e as da BHP Billinton avançavam 0,81% depois que o Credit Suisse elevou o preço-alvo da ação. Além disso, as companhias ligadas a metais avançam em meio a esperanças de que algum tipo de estímulo para conter o abrandamento da economia pode ser anunciado em breve.

Entre as notícias corporativas, a Telecom Itália informou na sexta-feira depois do fechamento dos mercados lucro líquido de 433 milhões de euros no primeiro trimestre, um salto frente aos 82 milhões de euros registrados no mesmo período do ano passado. No horário acima, os papéis da empresa subiam 2,77%.

A queda das bolsas ocorre também em meio a volumes mais baixos de negociações por causa de um feriado público na Alemanha, Dinamarca, Áustria, Noruega e Suíça, que mantém em mercados acionários fechados.

No mesmo horário, a Bolsa de Londres recuava 0,40%, Paris caía 0,94% e Milão perdia 0,35%. Já a Bolsa de Madri recuava 1,13% e Lisboa 1,57%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia