Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 16 de maio de 2016. Atualizado às 08h21.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

16/05/2016 - 08h21min.

Petróleo sobe com avaliação de que mercado entrou em déficit e alta na demanda

Os futuros de petróleo operam em alta considerável na manhã desta segunda-feira (16), mantendo a tendência vista durante a madrugada, após o Goldman Sachs afirmar que o mercado global da commodity "provavelmente entrou em déficit em maio", marcando o início de seu reequilíbrio físico.

Segundo o Goldman, recentes cortes em grandes países produtores, como Canadá e Nigéria, levaram o mercado à situação de déficit.

O Goldman tem sido um dos bancos mais pessimistas em relação ao preço do petróleo. Apesar de esperar alta nas cotações da commodity no segundo semestre, a US$ 50 por barril, o banco acredita que o preço recuará para US$ 45 por barril no primeiro trimestre de 2017, uma vez que produtores de baixo custo deverão levar o mercado de volta ao superávit.

O Goldman também elevou sua projeção para o aumento da demanda mundial por petróleo em 2016, de 1,2 milhão de barris para 1,4 milhão de barris diários.

Para o Barclays, o principal motivo por trás dos ganhos do petróleo é justamente a demanda, em vez da oferta, e o consumo da China e Índia tem favorecido as cotações.

Às 7h49min (de Brasília), o WTI para junho negociado na New York Mercantile Exchange (Nymex) subia 1,90%, a US$ 47,09 por barril, enquanto o Brent para julho avançava 2,01% na IntercontinentalExchange (ICE), a US$ 48,79 por barril.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia