Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 13 de maio de 2016. Atualizado às 08h56.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

13/05/2016 - 08h56min.

Cobre opera em alta, após recuo forte no pregão anterior

Os contratos futuros de cobre operam em alta na manhã desta sexta-feira (13), recuperando-se parcialmente das perdas mais acentuadas registradas na sessão anterior. Na quinta-feira, dados fracos dos Estados Unidos e a valorização do dólar pressionaram o metal.

Na London Metal Exchange (LME), o cobre para três meses subia 0,5%, a US$ 4.635 a tonelada, às 8h35min (de Brasília). Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o cobre para julho avançava 0,31%, a US$ 2,0810 a libra-peso, às 8h45.

O metal usado na indústria sofreu na quinta-feira não só com os dados dos EUA, mas também com o dia fraco para as ações em Nova Iorque. O analista Dee Perera, da Marex Spectron, disse que a recuperação desta manhã, embora modesta, ocorre porque os metais fecharam ontem nas mínimas do dia, ou perto disso.

Mais adiante, analistas avaliam que o cobre pode voltar a ficar pressionado. "Em geral, ainda há a necessidade de uma maior correção [nos preços dos contratos], porque o movimento de alta das semanas anteriores foi impulsionado em grande medida pela especulação e, na minha avaliação, ainda não houve uma saída suficiente de especuladores do mercado", disse Daniel Briesemann, analista de commodities do Commerzbank.

Entre outros metais básicos negociados na LME, o alumínio operava em baixa de 0,6%, a US$ 1.536 a tonelada, o zinco subia 0,6%, a US$ 1.881 a tonelada, o níquel caía 0,2%, a US$ 8.615 a tonelada, o chumbo tinha alta de 0,7%, a US$ 1.723,50 a tonelada, e o estanho avançava 1%, a US$ 16.835 a tonelada.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia