Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 12 de maio de 2016. Atualizado às 21h33.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

petróleo

12/05/2016 - 21h33min. Alterada em 12/05 às 21h33min

Petrobras: venda de derivados cai 8% no 1º trimestre

As vendas de derivados da Petrobras no mercado interno atingiram 2,056 milhões de barris por dia no primeiro trimestre de 2016, um recuo de 8% em relação aos 2,230 milhões de barris diários negociados no mesmo intervalo de 2015. Na comparação com os 2,171 milhões de barris diários do quarto trimestre, houve queda de 5%.
A comercialização de diesel, principal mercado para a estatal em termos de volume, somou 798 mil barris diários, retração de 12% ante os 907 mil barris negociados entre janeiro e março de 2015 e também no período de outubro e dezembro daquele mesmo ano. O derivado é consumido em grande escala por caminhões, atividade da economia que depende do desempenho Produto Interno Bruto (PIB), cujo resultado do primeiro trimestre será divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em junho.
Já as vendas de gasolina alcançaram 564 mil barris diários, baixa de 2% ante os 573 mil barris diários dos três primeiros meses do ano passado, mas praticamente estável em relação aos 562 mil barris do último trimestre de 2015. Além da renda do brasileiro, pesa também a menor competitividade do combustível em relação ao etanol, após os reajustes anunciados no final de 2014 e em setembro do ano passado, e o aumento do teor de etanol anidro na gasolina C, de 25% para 27%.
Incluindo na conta gás natural, alcoóis, nitrogenados renováveis e outros, o volume total comercializado pela Petrobras no mercado brasileiro chegou a 2,527 milhões de barris por dia, 10% menos ante os 2,793 milhões de barris por dia do primeiro trimestre de 2015 e 7% abaixo dos 2,713 milhões de barris por dia do quarto trimestre do ano passado.
O balanço mostrou, ainda, que as vendas ao mercado externo entre janeiro e março de 2016 totalizaram 912 mil barris diários, 0,3% abaixo dos 915 mil barris diários registrados em igual intervalo de 2015 e 21% menor do que os 1,159 milhão de barris diários no período de outubro a dezembro do ano passado.
Com isso, as vendas totais da Petrobras no primeiro trimestre de 2016 ficaram em 3,439 milhões de barris por dia, 7% menos que os R$ 3,708 milhões de barris diários negociados de janeiro a março do ano passado e 11% abaixo dos 3,872 milhões de barris comercializados nos três últimos meses de 2015.
O valor médio do derivado básico comercializado pela petroleira no mercado doméstico durante o primeiro trimestre foi de R$ 231,68 o barril, superando em 5% os R$ 221,25 por barril praticados no mesmo intervalo um ano antes, mas 3% inferior aos R$ 239,36 o barril realizados no quarto trimestre de 2015.
Ainda no Brasil, o preço de venda do petróleo ficou em US$ 28,88 o barril, 33% inferior aos US$ 43,40 por barril verificados nos três primeiros meses do ano passado, enquanto o do gás natural caiu de US$ 40,76 para US$ 30,22 na mesma base de comparação.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia